Editorial

O que é que tem o PCP que outros não têm?

publicidade

Com o decreto de estado de calamidade pública, o Governo não agrada a Gregos nem a Troianos.

Esta semana temos ficado a conhecer o ‘diz que não diz’ do Governo liderado por António Costa no que respeita aos dinheiros dados ao Novo Banco e tivemos ainda a entrevista que o primeiro-ministro realizou ao Porto Canal onde deixou a porta aberta ao PCP em realizar a habitual Festa dos Vermelhinhos na Quinta da Atalaia, no seu bastião intocável.

Sim, porque o Seixal é um dos bastiões intocáveis do PCP, porquê? Ainda ninguém entendeu, mas que esse bastião está mais protegido que Nossa Senhora de Fátima, claro que está, e podemos perguntar por onde anda a oposição à Câmara Municipal do Seixal.

Mas vamos lá falar da polémica… o País vive tempos difíceis desde o dia 12 de março quando tudo parou devido a um vírus, aquele que foi apelidado de vírus chinês e que deixou os amigos de olhos em bico revoltados.

Com a paragem imposta pelo Governo uma série de medidas restritivas que todos estamos a cumprir, ou melhor, alguns de nós estão a cumprir, medidas essas que nos privaram de passar a Páscoa em família, as missas proibidas, e até padre identificados como o caso de Alcochete, 25 de Abril restrito e 1º de Maio só para alguns, aqueles que transportavam as bandeiras às costas.

No dia 2 de maio, o estado de emergência foi levantado e com ele veio o estado de calamidade pública, de um ao outro, venha o diabo e escolha.

Mais medidas restritivas vieram e com elas a restrição de realização de festas, romarias e festivais de música, aprovada em Conselho de Ministros no passado dia 07 de maio perto do almoço. Claro, várias vozes do PCP se levantaram e até afirmaram que a Festa do Avante não se trata de um festival de música, mas sim de um encontro partidário e que decorre desde 1976. Declarações essas que fizeram o Conselho de Ministros reunir e acrescentar a proibição a todas as festas, sejam elas ou não partidárias.

António Costa borrou a pintura toda esta sexta-feira, quando no Porto Canal adiantou que o Avante poderá ser realizado se cumprir com as regras da Direção Geral de Saúde (DGS), e aqui, foi o descambar de toda a polémica que está instalada no País.

Os portugueses não tiveram direito a Páscoa, 25 de Abril, 1º de Maio, Comemorações do Santuário de Fátima, as festas e romarias são todas canceladas, uma das festas importantes da região de Palmela também está em vias de ser cancelada, e segundo o comunicado do Conselho de Ministros, não se irá realizar e os senhores do PCP ficam de fora destas proibições caso cumpram com as medidas da DGS?

Mas não vivemos todos no mesmo território? Dá que pensar.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui