EconomiaEntrevistaGastronomiaLisboaPalmelaSeixalSesimbra

O peixe mais fresco de Sesimbra chega aos consumidores em cabazes

Com uma história bastante ligada à pesca e ao peixe, Sesimbra é um local que abraça as suas tradições. O Cabaz do Peixe é uma ideia que leva aos consumidores alguns dos melhores do mundo. «O cabaz do peixe foi uma ideia da Liga de protecção da natureza, no sentido de eliminar os intermediários entre os pescadores e os consumidores, à semelhança do projeto prove (cabaz de legumes). Foram feitos inquéritos aos consumidores habituais do prove no concelho de Sesimbra para medir o seu interesse relativamente ao cabaz do peixe, e teve uma boa adesão», conta a Técnica Superior, Marta Samagaio.

Desta forma nasceu o cabaz bastante apreciado pelos consumidores. «A aceitação é muito boa, e temos bastantes clientes fidelizados. Até porque durante a pandemia com a necessidade de comprarem produtos frescos, o cabaz do peixe foi uma mais-valia para muitas famílias. No entanto não foi isso que fez aumentar o número de clientes, pois devido ao aumento dos custos também tivemos de aumentar em 5eur o nosso cabaz (tendo atualmente um custo de 30€ para 3Kg peixe limpo) o que levou a muitos clientes a não comprarem ou até mesmo alguns a deixarem de comprar o cabaz», disse Samagaio.

«Não é possível escolher as espécies que queremos receber no cabaz, uma vez que depende das capturas diárias. O cabaz inclui 3 espécies diferentes de pescado, das 24 espécies disponíveis na nossa lista. Temos desde a abrótea, a pescada, a raia ou polvo. Acima de tudo os clientes tem a total garantia que esse peixe foi capturado pelas embarcações de Sesimbra, que o peixe tem a máxima frescura e qualidade, e a um preço mais acessível que os mercados locais». Antigamente era habitual os sesimbrenses irem às compras a lota só que agora o pescador faz estas vendas a Docapesca.

«O cabaz do peixe veio colmatar essa lacuna. O consumidor para ter peixe fresco tem de recorrer a peixarias ou grandes superfícies que vendem o peixe extremamente inflacionado». Com o custo de vida a crescer, uma ida a peixaria torna-se inacessível. Os preços continuam a subir e comprar um cabaz com alimentos considerados essenciais já custa 209,98 euros.

O cabaz do peixe tem entregas em Sesimbra, Seixal, Quinta do Conde, Palmela, Corroios e Lisboa.

«Todos os associados partilham a certeza de que este projeto TUPEM tal irá afetar profundamente toda a comunidade de a pesca profissional das redes de cerco, redes de emalhar e toda a cadeia de pesca local, de enumeras embarcações registadas nos Portos de Sesimbra e Setúbal. Uma grande parte dos nossos associados, pescam diariamente nas áreas limitadas pelo projeto de instalação do TUPEM, e já lidam com diversos obstáculos, entre eles salientamos as colossais limitações do parque natural marítimo Luís de Saldanha. Que limita toda a área disponível para a pesca profissional na nossa costa», é desta forma que falam sobre a construção de um recife na Comporta e como vai afetar o trabalho dos pescadores que se queixam da excessiva fiscalização e do aumento dos combustíveis.


Sabia que o Diário do Distrito também já está no Telegram? Subscreva o canal.
Já viu os nossos novos vídeos/reportagens em parceria com a CNN no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!
Siga-nos na nossa página no Facebook! Veja os diretos que realizamos no seu distrito
Siga-nos no Feedly, carregue em seguir (follow)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *