Política

Nova candidatura ao PSD aponta “baterias” à Comissão Política Concelhia de Sesimbra

Assume-se como uma alternativa à gestão atual da Comissão Política Concelhia de Sesimbra e acusa a atual direção de nada fazer para ter melhores resultados autárquicos.

- publicidade -

Não é novidade para muitos que a atual direção da Comissão Política Concelhia de Sesimbra já estava debaixo de fogo mesmo antes das eleições autárquicas 2021. O Diário do Distrito sabe que a atual direção para além do trabalho deficiente que fez durante a campanha autárquica, também terá discordado com muitos dos militantes e até dos jovens sociais democratas.

Francisco Luís, figura central do PSD/Sesimbra, voltava a concorrer à Câmara Municipal, o mandato 2017/2021 não terá sido benéfico aos olhos dos militantes do PSD, quando assume a pasta da Proteção Civil, ficando à mercê do executivo do PCP. Uma mão cheia de discórdias que se foram gerando dentro do seio do PSD em Sesimbra, acabou por “rebentar” com os resultados eleitorais do passado domingo, 26 de setembro.

O candidato do PSD à Câmara Municipal de Sesimbra, saiu derrotado com 7,47% dos votos, o que equivale a 1.444 votos, sendo ultrapassado pelo empresário de restauração e candidato do CHEGA, Márcio Souza, que obteve 9,34% dos votos e elegendo um mandato para a Câmara Municipal.

Este domingo, a candidatura “A Alternativa PSD Sesimbra” encabeçada pelo social democrata Marco Rafael Rodrigues, enviou um comunicado para os jornais, acusando a Comissão Política Concelhia de ter cometido cumulativamente erros e falhas graves na construção das listas candidatas e dos seus manifestos.

Diz o mesmo comunicado que para além desse trabalho, a desilusão foi total: “Não nos podem pedir é para que sejamos cúmplices de opções com as quais não concordamos, e onde nunca nos revimos”, avançando ainda que “Entendemos que neste momento, a atual Comissão Política não tem condições para continuar a liderar o partido”.

Lembrar que o PSD em Sesimbra conseguiu 7,47% para a Câmara Municipal, 7,86% para a Assembleia Municipal e 7,48% para as Assembleias de Freguesia do concelho.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo