AtualidadebombeirosNacional

Mudança de vento poderá ter cercado equipa de bombeiro que morreu na Lousã

- publicidade -

Em conferência de imprensa na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, Duarte da Costa indicou que o incêndio que matou um bombeiro e provocou ferimentos em quatro outros da corporação de Miranda do Corvo começou com uma trovoada seca e que, nessas condições, há “mudanças de vento repentinas nas camadas inferiores da atmosfera, junto ao chão”.

“Rapidamente, num terreno que é muito difícil e com grande declive, poderá ter havido uma alteração de vento que levou a que o chefe José Augusto se visse na vicissitude de não conseguir sair da zona onde acabou por falecer. No entanto, vamos aguardar com calma e serenidade que sejam feitos todos os inquéritos pelas autoridades competentes como foi determinado pelo ministro da Administração Interna para que se tirem conclusões e se evitem situações destas”, declarou.

NOTICIA RECOMENDADA: Um bombeiro morreu e quatro ficaram feridos em incêndio na Lousã

[themoneytizer id=”61056-1″]

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui