Movimento Zero alerta país para o caos que se pode avizinhar

Esgotados e desagradados com falta de resposta por parte da Direção Geral da PSP, Ministério da Administração Interna e Comando Geral da GNR, os profissionais de segurança ponderam parar o país com uma paralisação geral dos militares da GNR e agentes da PSP

0
393
FOTO: DR
Tempo de Leitura: 2 minutos

Portugal já viveu momentos conturbados com uma paralisação de polícias que confrontaram polícias com polícias, tudo isso ocorreu no Terreiro do Paço nos anos 80, agora a nuvem de paralisação paira novamente sobre a ‘cabeça’ do MAI, do Comando Geral da GNR e da Direção Geral da PSP, com a ameaça dos elementos e militares da PSP e GNR de parar se as suas reivindicações não forem atendidas.

O Movimento Zero em pouco tempo conseguiu já uma rede considerável de seguidores, mais de 20 mil que acompanham a página do movimento na rede social Facebook, e em pouco tempo este movimento tem-se feito ouvir nas cerimónias da PSP e da GNR.

A última das quais foi nos Jerónimos, em Lisboa, onde mais de uma centena de elementos que assistiam no público vestiu a camisola do Movimento Zero e ouviu o discurso do Diretor Geral da PSP de costas, já o Ministro do MAI, Eduardo Cabrita, não teve o mesmo privilégio, ficando a falar enquanto os elementos saiam e formavam um zero com os dedos.

Uma reportagem elaborada pela RTP, dá conta do total descontentamento dos elementos deste movimento, com esquadras sem condições de segurança e higiene, paredes a cair, WC disfuncionais, mas para além disso o descontentamento passa pela compra de todo o material que é preciso para exercer a profissão, fardas, algemas, botas, casacos entre outras coisas.

Já na parte operacional, os elementos de ambas as autoridades se queixam de andarem a conduzir viaturas de serviço sem seguro, sem inspeções e muitas delas com mais de 30 anos de serviço, carros que já fizeram três e quatro voltas aos motores e que são autênticos perigos tanto para a vida dos profissionais de segurança como para a vida dos cidadãos.

No caso da GNR, existem postos que ainda usam os ‘velhos’ Nissan Patrol, viaturas com mais de 30 anos e que ainda estão ao serviço da Guarda. Em muitas dessas viaturas, os bancos são apoiados em pedras de calçada a fazerem de apoio, as mudanças são presas com borracha elástico, porque já não engrenam e o barulho de peças soltas dentro do habitáculo é notório.

Ratos e baratas também fazem parte do dia a dia dos homens e mulheres destas forças de segurança, esquadras e postos são invadidos pelos roedores e pelas baratas, a falta de higiene é notória em algumas instalações com mais de 20 anos e sem qualquer obras de requalificação.

A revolta dos profissionais subiu de tom quando alguns elementos da PSP foram acusados em tribunal de maus tratos a cidadãos durante uma rusga policial efetuada a um bairro problemático na grande Lisboa, a condenação dos elementos subiu de tom no seio dos elementos e a partir dessa data surgiu o grupo Movimento Zero com o objetivo de defender os direitos de todos os profissionais de autoridade.

Um grupo que diz estar atento às situações reais no setor e que espera por respostas por parte dos Comandos da GNR e PSP e do MAI, até hoje não respondidas.

A ameaça é real e os elementos de segurança podem vir a parar o país, homens e mulheres que não estão abrangidos pela lei da greve, mas que ameaçam paralisar devido à falta de respostas e de atenção devida que merecem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome