Atualidade

Movimento Resistência Nacional ‘esclarece’ manifestação frente a sede do SOS Racismo

publicidade

Os dirigentes do SOS Racismo apresentaram uma queixa no Ministério Público, após um gruo de manifestantes do movimento Resistência Nacional se ter concentrado frente à sua sede no sábado à noite, em Lisboa, menos de um mês depois da fachada do edificio ter sido vandalizada com a frase «Guerra aos inimigos da minha terra».

A queixa foi apresentada tendo por base a alegada iconografia que o grupo de manifestantes apresentou, com máscaras brancas a tapar o rosto e tochas, semelhante ao usado pelo movimento supremacista branco dos EUA, o Klu Klux Klan, segundo os membros do SOS Racismo.

As imagens do ‘protesto’, bem como um vídeo, foram divulgados pelos próprios elementos do Movimento na sua página da rede social do Facebook, onde mostram os manifestantes de máscara branca a cobrir o rosto e com tochas acesas, durante o qual foram gritados os gritando o nome de vários polícias assassinados.

No vídeo pode ainda ler-se a mensagem que ‘em vinte anos o SOS Racismo não defendeu um único português’.

Há minutos, o Movimento publicou um «Esclarecimento Público» em resposta a esta queixa do SOS Racismo, no qual refere que «a nossa acção de sábado não foi nenhuma manifestação, nem nenhuma “parada do KKK” como apelida o ridículo Mamadou Ba.

A acção consistiu numa vigília em honra das forças de segurança mortas por “Jovens”,mas que aos olhos do SOS Racismo nunca é racismo. Ou seja, só é Racismo se funcionar apenas para um dos lados, o que é altamente hipócrita.»

O Movimento apresenta ainda uma listagem do que foi feito durante o protesto: «não causámos qualquer desacato ao contrário dos grupelhos antifa; honrámos a memória dos Policias mortos ao gritar “presente!” após o nome de cada PSP/GNR caído».

O Movimento garante ainda que condena « quaisquer actos de violência ou desordem pública como as mensagens que o Mamadou Ba recebeu por email, com as quais não temos nem queremos ter nada a ver».

E deixa uma última mensagem: «o SOS Racismo pode apresentar as queixas que quiser, o artigo 45 da constituição permite-nos estar em qualquer lugar a qualquer hora, sem necessidade de qualquer explicação ou autorização. Não agredimos ninguém nem partimos ou danificámos seja o que for.»

Ler mais

Artigos Relacionados

One Comment

  1. O SOS Racismo não é o tipo de entidade que respeita seja a constituição, seja os direitos das pessoas, seja a lei. Este individuo, o Mamadu, é um destilador de odio e incitador da violencia e em nada se distingue dos supostos movimentos de extrema-direita, que não existem excepto na sua imaginação doente, frustrada e segregadora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui