Opinião

Montijo | O aeroporto, o trânsito e a cidade

Uma crónica de Virgílio Oliveira.

- publicidade -

No decurso deste meu balanço, tentarei caracterizar de uma forma necessariamente sintética, a situação atual da rede viária da cidade de Montijo, e as perspetivas futuras em termos de acessibilidades.


Mais exatamente, formularei duas questões muito simples, mas essenciais, como as seguintes:
– Qual é a posição presente da rede viária da cidade quanto à integração da mesma, face ao futuro?


– Quais as condições indispensáveis para que o Montijo esteja em situação de desempenhar cabalmente, no futuro, o seu papel no que concerne a uma maior segurança e fluidez no tráfego rodoviário?


Atualmente, as acessibilidades complementares existentes, ou seja, as circulares ou vias de cintura internas ou externas, representam ainda menos de 12% em relação às acessibilidades registadas nas vias do interior da cidade, proporção esta anormalmente desnivelada, o que traduz ou a fraca amplitude da rede de acessibilidades complementares da cidade, ou uma continuidade, caracterizada pela habituação, nos circuitos interiores. Entenda-se aqui por acessibilidade, o grau relativo de facilidade com que se atinge um determinado lugar a partir de outros. Estando o grau de acessibilidade diretamente relacionado com o número de ligações diretas: logo, quanto maior for o número de ligações diretas maior será o grau de acessibilidade.


Temos ainda por outro lado, no Montijo, a utilização dos eixos “principais” rodoviários comuns, a atingirem ainda cerca de 82% (média diária) o que é manifestamente significativo e até preocupante. Deparara-se-nos aqui, um primeiro e fundamental ponto a assinalar.


Em segundo lugar, com o crescente, e previsto, índice demográfico do Concelho, e outras situações em curso, o trânsito automóvel irá aumentar seguramente na ordem dos 6,5% anualmente, tornando-se assim urgente a racionalização (expansão e reestruturação) da rede de acessibilidades existente.


Numa palavra, há que enfrentar a questão base: são precisas mais acessibilidades, ou pelo contrário, há prioritariamente necessidade de se coordenar melhor as já existentes, no que diz respeito ao fluxo rodoviário presente e de futuro?! Atente-se que quer as acessibilidades complementares (anéis externos) quer as citadinas, em alguns troços estão já a ficar saturadas, havendo, pois, aqui já indícios de se ponderar seriamente sobre esta questão.


Ainda e, sobre a prevista construção de um Aeroporto Complementar no Montijo e com todas as consequências que dai advirão para o trânsito citadino, deverá de imediato ser já equacionado que o aumento do fluxo rodoviário, mesmo com as novas vias que se anunciam, que a rede viária irá degradar-se anualmente, em cerca de 10 %, nunca menos, registando-se atualmente esse desgaste na ordem dos 5% a 6 %.


Sendo algumas das vias novas anunciadas, originárias de contrapartidas, e assim a ser, duvida-se muito naturalmente qual o tipo de pavimento a colocar (grau de desgaste). Assim, a degradação média anual dessas mesmas vias poderá vir a ser muito superior ao previsto, com todos os efeitos da manutenção, logo custos, que dai advirão e das consequentes alterações pontuais ao trânsito.


Em suma, não basta só criar novas acessibilidades é, e isto é tão ou mais importante de que tudo o resto, necessário e urgente que se tome consciência dos problemas que o trânsito tem no dia-a-dia, não só hoje, mas e também amanhã, e que a qualidade das vias seja eficaz.


Encaremos ainda o aumento, previsto, do índice populacional do Concelho, acoplado ao novo Aeroporto, que virá trazer para a cidade um aumento significativo e gradual do trânsito automóvel, isso é inquestionável.


Assim, este crescente movimento, associado à localização e traçado da malha urbana, com características especificas, faz com que seja urgente separar, o trânsito citadino do periférico, os ligeiros dos pesados e melhorar a mobilidade e, isto essencialmente para preservar a zona citadina e toda a sua estrutura viária envolvente, mas não só, que terá de sofrer algumas mudanças profundas, salvaguardando-se sempre a segurança dos peões.


Entretanto e na impossibilidade de se tomar de início algumas medidas, e da não concretização das mesmas, o trânsito na cidade tenderá a asfixiar-se e então aí, será mesmo preferível trocar o automóvel pela bicicleta, o que não será de todo inoportuno!

- publicidade -


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui