DestaqueDistritoDistrito SetúbalJustiça

Ministério Público arrasa com casal homicida de Amélia Fialho

publicidade

“Um crime escabroso, maquiavélico e com requintes de barbarie” foram as palavra do magistrado do Ministério Público esta tarde no Tribunal Judicial de Almada onde decorre as alegações finais de um caso que chocou a comunidade da cidade do Montijo. Amélia Fialho foi morta à martelada pela filha adotiva, Diana Fialho, e o genro Iuri Mata, que estão no tribunal a ouvir as alegações finais.

O Ministério Público acredita que o plano foi elaborado pelos dois arguidos e pediu ao coletivo de juízes que condene os homicidas à pena máxima de 25 anos de prisão.

Advogado de Iuri Mata confronta as provas apresentadas e diz que a reconstituição do crime feita pela PJ de Setúbal e o seu cliente não foram acompanhadas pelo advogado, que o combustível e isqueiro comprado no posto de abastecimento conforme se consegue ver pelas imagens de CCTV do estabelecimento não se pode constituir como prova que tenham sido usados para a profanação do cadáver de Amélia Fialho. O advogado aponta o dedo às autoridade e contestou ainda a possibilidade de contaminação das provas pela PJ.

Mas o advogado de Iuri Mata não se fica pelo “ataque” só às autoridades, o “ataque” também é dirigido à comunicação social, pois acusa a mesma de <<criar julgamentos públicos>> e <<condenar antes do julgamento>> os arguidos e por causa desses “julgamentos” os arguidos acabaram por não falar em tribunal.

Em atualização

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui