AtualidadeBragaCulturaDestaque

Mia Couto vence edição de 2021 do Prémio Literário Manuel de Boaventura

- publicidade -

O escritor moçambicano Mia Couto, com o romance ‘O Mapeador de Ausências’, foi o vencedor da edição de 2021 do Prémio Literário Manuel de Boaventura, promovido pela câmara de Esposende, anunciou hoje a autarquia.

A câmara do distrito de Braga justifica a escolha, tomada por maioria do júri, “por se tratar de uma narrativa de elevada maturidade literária que, com particular sensibilidade, consegue cruzar tempos distintos da realidade moçambicana, oferecendo ao leitor uma expressiva representação do país no período colonial e pós-colonial”.

Não sendo o galardão atribuído por unanimidade, o júri entendeu revelar a posição do professor Pedro Eiras, que votou na obra “As Telefones”, de Djaimilia Pereira de Almeida, pela “criativa exploração da sensibilidade de duas mulheres, mãe e filha, afastadas pela distância e unidas pela mais densa intimidade”.

Nesta edição, apresentaram-se a concurso 104 obras provenientes de vários países de língua portuguesa.

O júri, composto pelos professores Sérgio Guimarães de Sousa, da Universidade do Minho, na qualidade de presidente, e Pedro Eiras, da Universidade do Porto, e pela bibliotecária Maria Luísa Leite da Silva, da Câmara Municipal de Esposende, manifestou “satisfação por tão elevado número de obras a concurso”.

O Prémio Literário Manuel de Boaventura foi instituído pela Câmara Municipal de Esposende, com o intuito de homenagear e divulgar este escritor e homem de cultura, natural de Vila Chã, Esposende.

De periodicidade bienal e com o valor pecuniário de 7.500 euros, contempla a modalidade da criação narrativa de Romances ou de Contos da autoria de escritores de língua portuguesa.

Na primeira edição, em 2017, o prémio foi ganho pela escritora Ana Margarida de Carvalho com a obra “Não se pode morar nos olhos de um gato” e, em 2019, por Filipa Martins, com o livro “Na Memória dos Rouxinóis”.

Mia Couto vence a edição de 2021 com a obra “O Mapeador de Ausências”, que retrata a história do regresso de Diogo Santiago, intelectual moçambicano, professor universitário e poeta, à sua terra natal, a cidade da Beira, nas vésperas do ciclone que a arrasou em 2019, para receber uma homenagem que os seus concidadãos lhe querem prestar.

Mia Couto nasceu na Beira, em Moçambique, em 1955, tendo sido jornalista e professor, e é, atualmente, biólogo e escritor.

A entrega do prémio ocorrerá em Esposende, em data a determinar.

- publicidade -

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui