AtualidadePaísPolíticaPortoSociedade

Marcelo responde a críticas ao Governo: “Diga aos portugueses para votarem noutro”

Presidente da República foi questionado no Porto sobre a crise financeira em Portugal e esta foi a resposta.

publicidade

Marcelo Rebelo de Sousa foi interpelado na Feira do Livro do Porto, que se identificou como pequena empresária, perguntando ao Presidente da República “porque é que não põe a andar esta gente que nos está a fazer morrer?”.

“Nós temos de pagar tudo e ninguém nos ajuda. Porque é que ajudam a TAP e os hotéis e a nós, que somos micro-empresários, não nos ajudam?”, perguntou a alegada empresária, dizendo até que um colega seu se tinha suicidado.

Marcelo Rebelo de Sousa acabou por responder-lhe: “Porque os portugueses votaram neste Governo. Diga aos portugueses para votarem noutro Governo”.

A senhora respondeu então ao Presidente da República que não votou no Governo Socialista de António Costa. “Então, mas votou a maioria. Votou a maioria, o que é que eu hei-de fazer? Sabe que quem vota é o povo.”

Esta troca de palavras foi transmitida pela SIC Notícias, continuado a empresária a perguntar:

“Porque é que o Governo tem mais poder do que o Presidente, porquê? Porque é que o povo não muda as coisas? Porque é que o senhor não muda as coisas?” A isto, Marcelo Rebelo de Sousa atalhou: “Porque a Constituição foi votada assim.

Em declarações à SIC Notícias, Marcelo Rebelo de Sousa disse que ouvir os cidadãos em situações deste tipo também faz parte do seu trabalho: “O Presidente da República também serve para ouvir os desabafos das pessoas (…) Ela pôde dizer tudo o que queria, às vezes até não me deixando dizer nada, mas eu ouvi”, explicou. “Porque quando a pessoa é eleita Presidente, não é só para as coisas agradáveis.”

Veja AQUI a troca de palavras entre o Presidente da República e a cidadã.

Artigos Relacionados

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui