Cultura

Mais de 320 mil visitantes nas Culturais da Marinha

publicidade

As Unidades Culturais da Marinha registaram um total de 328917 visitantes no ano de 2019, o que representa um aumento de 3,6% em relação ao ano de 2018.

Contribuíram para este número de visitantes o Aquário Vasco da Gama, a Biblioteca Central de Marinha, a Fragata D. Fernando II e Glória, o Museu de Marinha e o Planetário Calouste Gulbenkian.

A Fragata D. Fernando II e Glória registou um aumento de 23%, totalizando 41923 visitantes. O Aquário Vasco da Gama recebeu 47174 pessoas, aumentando em 2,3% os visitantes relativamente ao período homólogo.

A Biblioteca Central de Marinha registou mais de 1500 visitantes, obtendo um número de visitantes semelhante ao ano anterior. Já o Museu de Marinha finalizou o ano com 174898 visitantes, aumentando, assim, o número de visitas em 2,5% e o Planetário Calouste Gulbenkian totalizou 63392 visitantes.

Em relação às atividades desenvolvidas ao longo do ano, destacam-se a participação do Aquário​ Vasco da Gama no “Projeto de conservação de organismos fluviais”, que motivou a libertação de várias espécies consideradas criticamente ameaçadas; a Banda da Armada totalizou 67 concertos, percorrendo cerca de 15000 km; a Biblioteca Central de Marinha organizou várias mostras documentais e visitas guiadas.

A Fragata D. Fernando II e Glória recebeu visitas teatralizadas, que dinamizaram a interação com o seu público; o Museu de Marinha teve patente ao público várias exposições, sendo a mais relevante dedicada a Gago Coutinho e recebeu visitas teatralizadas que incidiram em diversos temas, entre eles a circum-navegação de Fernão de Magalhães; o Planetário Calouste Gulbenkian recebeu o Encontro Nacional de Estudantes de Física e ministrou um curso de Astrofotografia.

Ler mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios. Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site