AtualidadeDestaqueOpinião

Little Pig, Little Pig, Do You Want Something Simple?

- publicidade -

Confesso que a vida de um pai que gosta de Walking Dead, mas tem 3 filhas, não é fácil. Como ver um episódio, a horas decentes, sem que as filhas pensem que um possível fim do mundo é uma cambada de zombies lentos aos berros, a serem mortos com a facilidade com que se enxota uma mosca?

E lá se vão passando os dias e um novo episódio tem de ser consumido em suaves prestações de 5 minutos de cada vez… Mas desta vez é a Story Arc do Negan! Quem não sonhou em ser um bad boy de casaco de cabedal (eh eh eh) e a brandir uma Lucille!!! “We are all Negan!” O sonho de todo o homem!

Depois de uma sessão de filmes animados (3!!!) com as filhas, as miúdas adormeceram e, depois que as colocar na cama, lá consegui acabar de ver o episódio! Adormeci no sofá, chateado com o empate do Sporting, completamente dormente de tanto boneco animado, mas empolgado porque percebi finalmente como surge um Negan! E tive um pesadelo (!!!), que tenho de partilhar com vocês!

Confesso, talvez porque moro na Quinta do Lambert, que sonho muitas vezes em inglês! Nós, os abençoados, somos assim! ONCE UPON A TIME there were three little pigs who lived in the forest. And a Big Bad Wolf!!! Era eu!!! Casaco de cabedal preto, cabelo untado de banha de porco e um bastão, com arame farpado, na mão!

“Little pig, little pig. Let me in!” O primeiro porquinho era o Little Braga. Casa feita de papel. Eram letras de fados! Ninguém respondeu… Eu repeti: “Little pig, little pig. Let me in!”.

O porquinho respondeu “Eu não sou o Braga! Eu sou a herança de Amália!”. O Lobo mau desconfiado questionou: “Prove to me that you are Amália!” O porquinho respondeu grunhindo: “Amália, quis Deus que fosse o meu nome!” O Lobo mau não acreditou e disse “Little Braga I’ll puff and I’ll huff, and “I’ll blow your house in.” Enquanto o Little Braga gritava à varanda, pela sua mãezinha, a casa voou e o Lobo Mau comeu-o!

Mas a sua fome não foi saciada! “Me and Lucille are hungry!”, disse o Lobo Mau. Olhou para o lado e estava uma linda casinha de porcelana, parecia uma prenda, ou um gift! Era a casinha do Little Nuno!

“Little pig, little pig. Let me in!”. O Lobo Mau não teve resposta mas ouviu baixinho uma ladainha que parecia uma reza. Encostou o ouvido à porta e escutou: “Pai nosso que estais em Alvalade, neste momento temos, uma vez mais (!!!), quer nos fechar hermeticamente! Não podemos cair em tentação nem ligar ao que vem aí, porque vem aí (!!!), sobretudo vão-se desenterrar muitas, muitas, muitas pedras, que já estão enterradas! Ah man!”

O Lobo Mau pensou duas vezes se queria comer o Little Nuno pois a loucura podia ser contagiosa. Mas a fome falou mais alto e repetiu “Little pig, little pig. Let me in!”. “Credo”, respondeu o Little Nuno, “tonto, tonto, tonto!”, afirmou. “Não grites, Lobo Mau, que a minha casa é da mais fina porcelana desta floresta. Vai-te, pedra do demónio!”

“Hey Little Nuno? What did you smoke? What stone? I will give you to eat to my Lucille, crazy pig!” “De dentro para dentro ou de fora para dentro?”, grunhiu o Little Nuno! Cabum!!! E a casa desfez-se em mil brilhantes pedacinhos e, enquanto o Lobo Mau o comia, o Little Nuno cantava: “We are family, I got all my sisters with me! We are family, get up everybody and sing!”

Mas o Lobo Mau ainda tinha fome! Andou uns metros e viu uma pequena casa de tijolo.

“What, in the name of God, is this? What a nice house!” Mas o cheiro a porquinho era intenso e ele aproximou-se dizendo: “Little pig, little pig. Let me in!”. Do outro lado uma voz disse: Bem-vindo Lobo Mau! Queres entrar?”. O Lobo Mau estava confuso, sabia que nunca conseguiria entrar naquela casa tão bem construída, mas queriam-lhe abrir a porta? “Yes thank you”, disse o Lobo Mau. E a porta abriu-se. O Lobo Mau perguntou ao porquinho, “What is your name?” e ele respondeu, “O meu nome é Brain!”. E ficaram horas e horas a conversar na casa do Little Brain. O porquinho e o Lobo Mau não ficaram amigos, mas aprenderam a valorizar a palavra respeito!

E nesse momento acordei e dei um grito: “GRAUUUUUUUUUUUU!”. A minha companheira, que dormia ao meu lado (yes, é um big sofá!!!), disse, meia a dormir: “O que foi Amor, é penalti???” “Mas qual penalti”, respondi eu, “o Sporting vai ser é Campeão!!!”

Moral da história, até os porquinhos podem ter cérebro!

- publicidade -

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui