Santiago do Cacém

Lagoa de Santo André aberta ao mar em operação vedada ao público

Lagoa de Santo André foi reaberta ao mar

- publicidade -

A Lagoa de Santo André, no concelho de Santiago do Cacém, foi hoje aberta ao mar numa operação vedada ao público, para evitar a aglomeração de pessoas junto ao canal, devido à pandemia de covid-19.

Ao contrário de anos anteriores, em que o processo de abertura é acompanhado de perto por milhares de pessoas, a operação deste ano juntou poucas dezenas de curiosos, no areal, que conseguiram assistir ao encontro das águas.

Coordenado pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), o processo consiste na abertura de um canal que «estabelece a ligação entre as águas do mar e as da lagoa», que, este ano, devido às chuvas, «está bastante cheia», explicou à agência Lusa Isabel Pinheiro, chefe de divisão do litoral da Administração Regional Hidrográfica (ARH) do Alentejo.

«Este ano a extensão do canal é mais reduzida, cerca de 250 metros, porque a lagoa está mais cheia do que em anos anteriores, mas a largura é de cerca de 20 metros para permitir o escoamento da água», acrescentou a responsável.

A operação tem como objetivo promover a renovação da água, para que haja o esvaziamento destas águas, que já estão aprisionadas desde o ano passado e já têm muita matéria orgânica, e o reenchimento com a água do mar.

Junta-se depois com a água doce que vem das duas ribeiras tributárias para que os níveis de oxigénio e os outros parâmetros ambientais sejam adequados.

«Queremos que o plano de água esteja em condições de enfrentar o verão, que é a altura mais crítica para este tipo de ambientes», esclareceu.

Nesta altura do ano, «entram na lagoa muitos peixes juvenis, com interesse comercial, e que enriquecem a fauna piscícola da lagoa».

Este ano, a APA, que conta com o apoio do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a colaboração da Capitania do Porto de Sines, mas não tem uma previsão do período em que a lagoa vai permanecer aberta, mas indicou que o ideal seria pelo menos um mês para a renovação ser eficaz.

«Se ela fechar mais cedo do que os trinta dias, temos previsto uma reabertura novamente com os meios mecânicos», garantiu.

Já a abertura da Lagoa de Melides, no concelho de Grândola, estava prevista para o final deste mês, «mas, como abriu espontaneamente e se mantém aberta, em princípio, estamos a equacionar cancelar a operação, porque a natureza deu uma ajuda», acrescentou a responsável.

- publicidade -

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui