DistritoDistrito SetúbalSetúbal

IPS promove reflexão “fora da caixa” sobre multiculturalidade e inclusão

publicidade

Gonçalo Cadilhe, escritor e viajante, e a jornalista Francisca Gorjão Henriques, também presidente da Pão a Pão – Associação para a Integração de Refugiados do Médio Oriente, são alguns dos oradores do seminário ‘Migrações, multiculturalidade, desenvolvimento e inclusão’, a decorrer no próximo 10 de Abril, no âmbito das comemorações do 40.º aniversário do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS).

Carlos Rabaçal, vereador da Câmara Municipal de Setúbal, Luís Vitorino, presidente da Associação de Estudantes Angolanos, e Pedro Sousa, docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, completam o painel de convidados deste primeiro seminário, com moderação de Cristina Gomes da Silva, diretora da ESE/IPS, numa partilha de experiências de integração social, económica e académica em diversos contextos.

Marcada para as 14h30, no auditório da Escola Superior de Educação (ESE/IPS), esta será a primeira de um ciclo de iniciativas que visam contribuir para a promoção do pensamento crítico sobre a sociedade atual, abordando temáticas como a inclusão e o desenvolvimento sustentável das sociedades, numa perspetiva que se pretende “fora da caixa” e de reflexão com vista à ação.

A iniciativa oferece também a oportunidade de visitar, no átrio da ESE/IPS, a exposição ‘Take nothing but pictures’, de Gonçalo Cadilhe. Considerado o primeiro viajante profissional português, o autor celebra nesta mostra três décadas de viagens, ao longo de dezenas de países, através de um conjunto de imagens que revelam “uma observação discreta e sem preconceitos do mundo”.

Politécnico de Setúbal com propinas mais baixas no próximo ano letivo

O Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) já aprovou os valores das propinas para o ano letivo 2019/2020, determinando uma diminuição para 871, 52 euros do teto máximo referente a todas as licenciaturas e aos mestrados na área da Educação.

Esta redução face ao estipulado atualmente enquadra-se no esforço de redução dos montantes, segundo determina o Orçamento do Estado para 2019, como forma de “reforçar o ingresso de jovens no ensino superior”.

Por opção própria, o IPS decidiu aplicar o mesmo valor – 871, 52 euros – aos mestrados nas áreas de Engenharias e Tecnologias, por considerar que são estratégicas para a região envolvente e para o País.

O IPS dispõe igualmente de um programa interno de atribuição de apoios sociais (PASS/IPS), em vigor desde 2010, como resposta aos estudantes que, apesar de terem rendimentos superiores aos limites fixados para beneficiar das medidas nacionais de ação social direta, não perdem a condição de carenciados.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui