Almada

Inês de Medeiros esclarece afirmações sobre bairros sociais

- publicidade -

A presidente da Câmara Municipal de Almada, Inês de Medeiros, esclareceu as recentes notícias que utilizam uma frase utilizada na última reunião camarária acerca da localização de bairros sociais.

Na sua página do Facebook, Inês de Medeiros publica também um vídeo em que contextualiza as declarações, e explica que «como se pode ver pelo excerto que aqui publico, a questão da localização de alguns dos bairros sociais de Almada, vem em resposta direta à interpelação feita pela Bloco de Esquerda que diz, e cito ‘ansiamos por projetos virados para as pessoas e que sejam também em pontos bonitos, que não sejam guetos’».

A presidente critica ainda o facto de que com «o aproximar das eleições autárquicas, a tentação para descontextualizar sistematicamente afirmações que são respostas a perguntas ou interpelações concretas, é grande, e a partir daí tirar conclusões que em nada correspondem ao sentido inicial das palavras».

Inês de Medeiros continua a explicar que «o Bairro do PIA, tal como recordou o vereador do BE, foi construído pelo IRHU no seguimento de uma tragedia no antigo Asilo 28 de maio, também conhecido por Lazareto, e veio pôr cobro a uma situação de habitação precária indigna.

Felizmente foi construído numa zona nobre da cidade, com acessibilidades, equipamentos e a dignidade que os seus habitantes merecem.

O projeto que assinámos em julho de 2019, com o IRHU para a construção de 3500 novos fogos na mesma zona, vai no sentido oposto da criação de guetos. E toda a nossa estratégia municipal de habitação aprovada em maio de 2019, tem como premissa a não criar qualquer situação de guetização. Tendo eu inclusivamente afirmado que não haverá diferentes ‘zonas do território para ricos e para pobres’.»

A proposta foi aprovada com os votos a favor de PS, PSD e CDU e o voto contra do BE, «e é um passo muito importante para a recuperação do Lazareto, edifício marcante da história do nosso concelho, e vai permitir a criação de emprego também essencial para os Almadenses».

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui