AtualidadecoronavírusDestaque

Índice de transmissibilidade a aumentar desde fevereiro

- publicidade -

O índice de transmissibilidade (Rt) da covid-19 tem vindo a aumentar desde meados de fevereiro, sendo mais elevado na região do Algarve, onde está em 1,19, revela o primeiro relatório de monitorização das ‘linhas vermelhas’ hoje divulgado.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) disponibilizam hoje o primeiro relatório de monitorização das ‘linhas vermelhas’ para a covid-19, que passará a ser publicado semanalmente às sextas-feiras.

“No continente, a região onde se observou o valor mais elevado do Rt foi a do Algarve (1,19), enquanto o valor mais baixo foi observado na região Centro (0,88). Tanto a nível nacional como a nível das regiões de saúde do continente tem-se observado um aumento paulatino do valor do Rt desde meados do mês de fevereiro, sendo mais notório na região do Algarve”, precisa o documento.

A DGS e o INSA indicam que o Rt a nível nacional se situa nos 0,97 e que o número de novos casos de infeção por SARS-CoV-2 por 100 000 habitantes tem vindo a diminuir no país, exceto no Algarve.

O relatório refere também que, no período entre 18 e 31 de março, a incidência cumulativa a 14 dias foi de 65,9 casos por 100 000 habitantes, com uma tendência estável.

Nesse período, o grupo etário que apresentou maior incidência correspondeu ao grupo dos 20 aos 29 anos (93 casos por 100 000 habitantes), refere o documento.

Por sua vez, o grupo com mais de 80 anos apresentou uma incidência cumulativa a 14 dias de 51 casos de infeção por SARS-CoV-2 por 100 000 habitantes, o que reflete um risco inferior ao da população em geral, indica.

A DGS e o INSA estimam que 70,6% dos casos de infeção por SARS-CoV-2 no continente estejam associados à variante do Reino Unido, sendo nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo (76%) e Algarve (95%) onde apareceram em maior número.

Até 28 de março de 2021, foram diagnosticados 50 casos da variante associada à África do Sul e a maioria foi identificada nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo (54%) e do Norte (36%), existindo “a possibilidade de transmissão comunitária, ainda que de muito baixa expressão”, uma vez que, após a investigação epidemiológica, não foi possível estabelecer o contexto de transmissão de alguns casos.

Em relação à variante associada ao Brasil, foram diagnosticados, até 28 de março, 22 casos, metade dos quais em residentes na região de Lisboa e Vale do Tejo, não havendo neste caso “evidência (prova) de transmissão comunitária sustentada em Portugal”.

Segundo o documento, o maior número de casos de covid-19 internados em UCI correspondeu ao grupo etário dos 70 aos 79 anos.

A proporção de testes positivos para SARS-CoV-2, entre 25 a 31 de março, foi de 2%, “valor que se encontra abaixo do limiar dos 4%, e o total de testes realizados nos últimos sete dias foi de 152.695.

A DGS e o INSA indicam também que “a proporção de casos confirmados notificados com atraso mantém uma tendência decrescente”.

- publicidade -

Nos últimos sete dias, todos os casos foram isolados em menos de 24 horas após a notificação e foram rastreados e isolados 91,5% dos seus contactos.

“A análise global dos diversos indicadores sugere uma situação epidemiológica controlada, ou seja, transmissão comunitária de moderada intensidade e de reduzida pressão nos serviços de saúde nas próximas semanas. Deve, no entanto, atentar-se ao aumento da transmissibilidade numa das regiões do continente”, salientam a DGS e o INSA, concluindo que “o atual período pascal e o início do desconfinamento são fatores que podem interferir nesta situação, com reflexos que demorarão algumas semanas a ser visíveis”.

As duas entidades referem que a monitorização dos indicadores divulgados no relatório “é fundamental para o acompanhamento da evolução” da epidemia em Portugal e para dotar “as autoridades de saúde e o público de informação que permita implementar medidas que contribuam para o seu controlo”.

Desde março de 2020 que 823.142 pessoas foram contagiadas com o novo coronavírus e 16.875 morreram com covid-19, segundo os dados mais recentes da DGS.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui