AtualidadeNacionalSociedade

Hospital Privado expulsa funcionária do seu posto

- publicidade -

Uma funcionária do Hospital Privado de Gaia, que é também delegada sindical, foi expulsa do posto de trabalho, depois de recusar cumprir um horário de 10 horas de turno.

A denúncia partiu do sindicato, que explicou que a trabalhadora “foi confrontada há dias com a alteração do seu horário das 8 para as 10 horas diárias, o que não aceitou”, tendo-se apresentado ao trabalho no dia de hoje, no seu horário e seguindo o calendário semanal de trabalho.

De acordo com o Sindicato, “o que aconteceu foi que a empresa além de querer alterar o horário, alterou também as folgas, e quando a funcionária se apresentou para trabalhar as oito horas diárias, foi expulsa por um administrador, alegando estar hoje de folga”.

Em comunicado divulgado pela Agência Lusa, o sindicato lembra que os horários de 10 horas diárias “só podem ser praticados com o comum acordo dos trabalhadores, de acordo com o disposto na contratação coletiva”, e que para serem elaborados, “as empresas têm de cumprir formalismos e procedimentos legais, que não foram cumpridos”. Acrescenta o documento que “o Grupo Trofa Saúde, em todas as suas 17 unidades, pratica horários de trabalho ilegais de 10 e mais horas diárias”.

A nota à comunicação social sublinha que “os trabalhadores têm vindo a resistir contra os horários desregulamentados, como foi o caso dos trabalhadores do bloco e esterilização do Hospital Privado de Gaia”. O sindicato lembra que “horários desregulamentados põem em causa a saúde dos trabalhadores e a vida pessoal e familiar”, e admite que “muitos acabam por aceitar estes horários ilegais porque são ameaçados de faltas injustificadas, despedimento ou transferência de serviço”.

Uma fonte próxima já disse ainda que a funcionária, “depois de cumprir as folgas do fim de semana, vai apresentar-se na segunda-feira ao trabalho”.

De acordo com a Agência Lusa tentou o Hospital Privado de Gaia ainda não teve ainda nenhuma reaçcão.

O Diário do Distrito tentou também obter algumas declarações, mas até ao momento não obteve qualquer resposta.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo