AtualidadeEconomia

Greve dos trabalhadores das IPSS marcada para amanhã

publicidade

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) anuncia que está marcada para esta quinta-feira, 1 de Outubro, uma greve dos trabalhadores das IPSS, que contará também com uma concentração às 11h30, junto à sede da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), no Porto.

Em causa está o aumento dos salários de todos os trabalhadores e a valorização da carreira profissional de todos os trabalhadores da “linha da frente”.

Segundo o comunicado enviado às redações, o CESP afirma que «num ano e num momento em que tanto se fala dos trabalhadores essenciais, dos trabalhadores da Linha da Frente, é necessário que haja a coragem para valorizar as carreiras profissionais de quem, num momento particularmente difícil não abandona utentes, trabalha no limite das suas forças e capacidades, dando o melhor de si para cuidar dos que mais necessitam.

Não podemos ficar por “aumentos simbólicos”.

É preciso valorizar significativamente quem, de uma forma exemplar, cumpre o seu papel, mesmo vendo os seus direitos colectivos serem atropelados todos os dias pelo Governo PS e Direcções das Instituições.

Os trabalhadores das IPSS não esquecem que foram obrigados pelo Governo e Instituições a trabalhar 10, 12, 24 horas seguidas, 7 ou 14 dias consecutivos. Até ao momento nenhum recebeu o trabalho suplementar devido.

Os trabalhadores não esquecem que foram impedidos de gozar férias, de rescindir contratos de trabalho e até de prestar assistência aos seus filhos.

Os trabalhadores não esquecem que, sendo professores e educadores, auxiliares de acção educativa e trabalhadores dos serviços gerais, todos foram poucos para as necessidades e todos responderam positivamente ao apelo feito para que nenhum cuidado faltasse a nenhum utente.»

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui