DestaqueReportagemSeixal

Green Pipeline Project | Projecto pioneiro de hidrogénio lançado no Seixal 

- publicidade -

O Auditório dos Serviços Operacionais da Câmara Municipal do Seixal foi o palco para o lançamento do projecto-piloto que pode vir a revolucionar o sistema energético em Portugal, no qual o concelho do Seixal será pioneiro.

Trata-se do Green Pipeline Project, a introdução de hidrogénio verde na rede de gás natural, nesta fase apenas para 80 clientes, um projecto promovido pela Galp Gás Natural Distribuição (GGND) em parceria com o município do Seixal.

“Vivemos tempos turbulentos no sector das energias, um sector volúvel, e a melhor forma de os enfrentar é acelerar o processo de descarbonização e apertar nas renováveis. É necessário acelerar, acelerar, acelerar” frisou o secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba.

“Portugal está numa excelente posição, porque a descarbonização é uma necessidade, mas também uma oportunidade, e o nosso país tem todas as condições para dele tirar vantagens.

Tenho de agradecer o pioneirismo da Câmara Municipal do Seixal, para o projecto-piloto que agora se inicia.

O processo de descarbonização é um processo nacional, mas só realizado pelo Governo, de pouco serviria. Por isso contamos com todos, autarquias e empresas de energias, para que o que é agora um projecto-piloto venha a ser implementado em todo o país.”

João Galamba admite que a transição energética “tem várias dificuldades, ao nível financeiro e até ambiental, mas somando os custos e os benefícios, será uma extraordinária oportunidade para o país, um autêntico ‘game changer’ e para o ambiente.

E Portugal tem todas as condições para trilhar esse caminho, com as empresas, os privados, as autarquias e até com os sindicatos e trabalhadores. Da parte do Governo, iremos melhorar a legislação para o sector, de forma a promover as energias renováveis e a descarbonização da indústria.”

Joaquim Santos, presidente da Câmara Municipal do Seixal

O presidente da Câmara Municipal do Seixal, Joaquim Santos, agradeceu “a honra de associar o município e este edifício onde nos encontramos, a este projecto, para nós motivo de grande satisfação, e agradeço ainda ao Eng. Carlos Mendes, que o lançou”.

O autarca destacou ainda “o papel dos municípios no processo de descarbonização e transição energética”, apontado alguns dos projectos do município, mas deixou o recado ao Governo: “apesar do esforço que fazemos, a par com outras autarquias, nem sempre temos tido os apoios necessários e por isso deixo o apelo ao Governo para que tenha em atenção os custos e à necessidade de olhar mais pelo trabalho desenvolvido a nível local.

Da nossa parte, considerem-nos como aliados para trilhar caminhos sustentáveis para novas formas de energia, até tendo em conta o preço das actuais como é o caso dos combustíveis.”

Gabriel Sousa, CEO da Galp Gás Natural Distribuição, destacou o facto de “Portugal estar numa posição privilegiada em relação a outros países, pelo facto de ter iniciado a sua rede de gás natural mais tarde. Se por um lado perdeu durante alguns anos essa possibilidade, agora temos a rede mais preparada para receber o hidrogénio verde, sem ter de realizar as adaptações de outros países, com menos gastos.

O CEO anunciou ainda que a empresa espera assinalar “em Janeiro de 2022, a introdução da primeira molécula de hidrogénio verde na rede nacional” e

- publicidade -

Participaram também na apresentação o Diretor Geral da Direção Geral de Energia e Geologia, João Bernardo e do Membro da Comissão Executiva do Fundo de Apoio à Inovação, Bruno Veloso, e da Galp Gás Natural Distribuição, e Nuno Nascimento, diretor da área de transição energética, novas tecnologias e comunicação.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo