DistritoDistrito SetúbalMontijo

Gerente de agência de viagens do Montijo absolvida do crime de burla

- publicidade -

A gerente da Pacote Glamour, agência de viagens que laborava no Montijo, foi absolvida dos crimes de que estava acusada de burla qualificada e de pagar a indemnização ao Fundo de Garantia de Turismo, pelo Tribunal de Almada, que alegou na decisão que esta «não quis enganar ninguém».

Foram 84 os clientes que ficaram sem as viagens de férias que já tinham pago, e cujo dinheiro foi desviado pelo vício do jogo online da gerente da agência de viagens, de 34 anos de idade.

O caso remonta a agosto de 2016, quando 84 clientes da agência de viagens ficaram sem as suas viagens de férias, após o fecho inesperado da empresa, por falta de liquidez, e que chegaram a concentrar-se à porta do estabelecimento.

O Turismo de Portugal chegou a emitir um ofício a alertar «todos os consumidores que recorreram aos serviços da agência Pacote Glamour Viagens e Turismo», para estabelecerem «um contacto prévio com os respetivos fornecedores dos serviços no sentido de aferirem se as suas reservas, e respetivas condições, se encontram asseguradas».

No âmbito deste processo, o Fundo de Garantia de Turismo pagou aos lesados mais de 174 mil euros, que agora exigia à gerente da empresa.

No entanto, o tribunal considerou que nada disto ficou provado e Paula Oliveira foi absolvida de burla, já que não estavam preenchidos os pressupostos para uma condenação, e de pagar a indemnização ao fundo.

«Não há qualquer ato por parte da arguida que possa ser considerado astucioso ou ardiloso», concluiu o Tribunal de Almada. As juízas do coletivo consideram que a gerente não quis enganar ninguém, mas não conseguiu satisfazer os pagamentos, por falta de liquidez só verificada em julho de 2016, embora tenha alertado os clientes para recorrerem ao fundo, o que a maioria fez.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui