AtualidadeDestaqueNacional

Foi atingido um valor recorde mensal de consumo de eletricidade em janeiro

- publicidade -

O consumo de eletricidade atingiu em janeiro um valor recorde e um crescimento homólogo de 2,7%, impulsionado pelas baixas temperaturas, que foi atenuado pela quebra devido ao novo confinamento, segundo dados da REN.

“O consumo de energia elétrica registou, em janeiro, o valor mensal mais elevado de sempre e apresentou um crescimento homólogo de 2,7%, com uma primeira quinzena muito forte devido às temperaturas baixas e uma segunda quinzena já em queda, com o novo confinamento”, indicou, em comunicado, a REN — Redes Energéticas Nacionais.

Sem o impacto das temperaturas baixas e da variação do número de dias úteis, o consumo teria recuado 1,8%.

Segundo a empresa liderada por Rodrigo Costa, as afluências aos aproveitamentos hidroelétricas aproximaram-se dos “valores normais deste mês”, com o índice de produtibilidade elétrica em 0,97 (média histórica igual a um), enquanto nas eólicas o índice fixou-se em 1,09 (média histórica igual a um).

Assim, 66,3% do consumo foi abastecido com produção renovável, sendo 30,6% hídrica, 28,7% eólica, 5,5% biomassa e 1,5% fotovoltaica.

Já a produção não renovável abasteceu 28,1%, repartida por gás natural (24,1%), carvão (3,6%) e outras não renováveis (0,4%).

O saldo de trocas com Espanha foi responsável pelos restantes 5,6% do consumo.

“No mercado de gás natural, o consumo foi mais intenso na primeira quinzena do mês, com o frio, tendo-se registados máximos históricos de consumo no sistema nacional, e menos na segunda quinzena do mês, altura em que se iniciou um novo confinamento”, apontou.

O consumo natural de gás natural, no final de janeiro, registou uma variação homóloga negativa de 11,6%, impactada pela redução de 34% verificada no mercado elétrico, enquanto no segmento convencional verificou-se um aumento de 1,9%.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui