Alcochete

Fernando Pinto reage a ‘actos condenáveis’ em Alcochete

- publicidade -

O presidente da Câmara Municipal de Alcochete, Fernando Pinto, reagiu através das redes socais, a várias situações de vandalismo que têm vindo a ocorrer na localidade, que culminaram hoje com frases pintadas na estátua do Rei D. Manuel I.

«O silêncio tem sido a minha resposta a um conjunto infindável de situações que não aprecio, que não gosto e que não faz parte dos meus princípios. Hoje, permitam-me o desabafo», refere a nota.

«Não posso aceitar a mediocridade de actos condenáveis que atentam a nossa história e o nosso património. O que esta madrugada fizeram à estátua do Rei D. Manuel I é um desrespeito pelos nossos avós, pelos nossos pais e sobretudo por todos aqueles que lutaram por nós» e lamenta que «as redes sociais sejam veículos de ausência de princípios e valores e sobretudo que soneguem as mais elementares regras da boa educação.

Não posso aceitar que se utilizem as pessoas para fins políticos com base na mentira, na insinuação e na descontextualização de afirmações públicas; não posso aceitar a desresponsabilização dos actos e acções.»

Num texto longo, o edil aponta ainda o dedo para algumas decisões que têm sido feitas durante o período de desconfinamento afirmando que «não posso aceitar que se permitam manifestações quando se pede às pessoas distanciamento e responsabilidade; não posso aceitar que se permitam acções e iniciativas que assentam no cariz político quando se pede responsabilidade a quem organiza festas, feiras e romarias. Não posso aceitar que determinados palcos culturais sirvam apenas para alguns eventos e não sirvam a generalidade dos espectáculos. Não posso aceitar que a nossa cultura não enquadre as nossas mais genuínas tradições, representativas da forma de ser e de estar de um povo.»

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui