JustiçaSeixal

Falta de provas e de queixas liberta clã que causou distúrbios em Paio Pires

publicidade

A falta de provas e a retirada das queixas por parte das vítimas levou à libertação dos nove homens que foram detidos há cerca de um ano por causarem desacatos numa marisqueira na Aldeia de Paio Pires, Seixal, e posteriormente disparem sobre um prédio.

O caso remonta a Agosto de 2018, quando um grupo de homens causou desacatos na Marisqueira Ponto Verde, na Aldeia de Paio Pires, Seixal, causando quatro feridos entre os clientes, entre estes uma mulher grávida com um deles a ter efectuado disparos na via pública.

Dias depois, o mesmo grupo de homens voltou à zona para dispararem contra um prédio onde habitava o proprietário do restaurante, causando diversos danos, com os momentos de pânico dos residentes a serem gravados por uma das moradoras do prédio.

A 2 de Outubro de 2019, oito homens viriam a ser detidos pelas autoridades na designada ‘Operação Faroeste’, tendo-lhes sido decretada prisão preventiva, deduzindo o Ministério Público acusação contra nove dos participantes.

No julgamento que decorreu esta semana no tribunal de Almada, o Ministério Público retirou a acusação de crime de homicídio tentado, e perante a retirada das queixas por parte das vítimas, os nove homens foram colocados em liberdade.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui