DestaqueDistritoJustiçaLisboa
Em Destaque

Esfaqueia namorada por causa do Facebook

Mulher de 47 anos ficou gravemente ferida. Os golpes com uma faca de cozinha perfuraram o estômago, cólon e intestino delgado da vítima

publicidade

Um homem, de nacionalidade portuguesa e de 39 anos, foi detido esta semana pela Polícia Judiciária depois de tentar matar a namorada à facada em Lisboa. A mulher, de 47 anos e de nacionalidade suíça, foi atacada com dezenas de facadas profundas.

O casal estava hospedado num hostel de Lisboa, situado na Avenida Almirante Reis. Na passada sexta-feira, uma discussão motivada por ciúmes espoletou o crime. O acesso da mulher à página do Facebook através de um outro dispositivo terá estado na origem da discussão. Nessa noite a mulher sentiu-se mal e adormeceu. No entanto, durante a noite, o homem atacou a namorada com dezenas de golpes com uma faca de cozinha. Golpes profundos nos braços e no abdómen. Ferimentos que perfuraram o estômago, o cólon e o intestino delgado.

Os gritos por socorro da mulher alertaram os clientes de outros quartos do hostel, que chamaram o 112 e impediram que a mulher fosse assassinada.

Ainda assim, a mulher ficou gravemente ferida e teve ser operada de urgência no hospital.

PSP, bombeiros, INEM e PJ estiveram no local.

O homem terá negado o crime às autoridades, alegando que a mulher provocou os ferimentos a ela própria. No entanto, e após algumas diligências da Judiciária, foi apurado que a mulher já tinha apresentado queixas de violência doméstica contra o companheiro na Suíça, país de origem da namorada.

O homem foi detido e está agora em prisão preventiva, após ter sido ouvido por um Juiz de Instrução Criminal de Lisboa. Está indiciado pela prática dos crimes de homicídio qualificado na forma tentada, de violência doméstica e de detenção de arma proibida.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui