Opinião

Em Alcochete “quem come à mesa” da atual maioria camarária pode tudo…

publicidade

Quem assistiu à reunião da Câmara Municipal de Alcochete do pretérito dia 21 de Outubro, só pode ter ficado boquiaberto com a tremenda desfaçatez com que o Vereador do Urbanismo, secundado pelo seu Presidente , assumiu desbragadamente ter cometido várias ilegalidades sobre irregularidades já cometidas.

Já sabíamos que a Câmara alcatroou à socapa o caminho privado perpendicular à Estrada do Samouco (principal artéria de ligação entre as mais importantes localidades do concelho e com o Montijo), que apenas serve e favorece ilegitimamente o terreno e a moradia do candidato derrotado à Junta nas últimas eleições e agora membro da Assembleia de Freguesia do Samouco pelo PS.

Mais recentemente, por denúncia da vereação da CDU, ficámos a saber que esse eleito do PS ainda teve o topete de aproveitar a embalagem e construir clandestinamente, sem projeto e sem licenciamento, um armazém avultado nesse mesmo terreno e nas traseiras da sua moradia, contíguo ao referido caminho privado que foi objeto de abusivo asfaltamento municipal.

Pior! Ninguém entende como foi possível que o dito armazém tenha sido construído sobre o passeio ali existente, desalinhado com a vedação e excedendo os limites da propriedade.

Mas perante este cenário dantesco de vergonhoso nepotismo político e administrativo, os atuais senhores do PS na Câmara Municipal de Alcochete explicaram, corrigiram…abriram processos de averiguação e de contraordenação?

Não! Escandalosa e descaradamente tentam agora abafar toda esta manigância, tendo afirmado na supra referida reunião de Câmara que falaram com o prevaricador e que este se predispôs a legalizar à posteriori o que havia construído ilegal e clandestinamente…e que, como tal, imagine-se, não obstante o alerta da vereação da CDU, não iriam, ao arrepio da lei, abrir sequer processo de contraordenação nem aplicar por conseguinte qualquer sanção.

Ou seja, uma catadupa de ilícitos. Como é para os amigos e “comparsas partidários”, tudo vale…

Como se não bastasse já a Câmara ter alcatroado à margem da lei, com os nossos dinheiros públicos, o caminho privado que favorece exclusivamente o autarca do PS, como se não fosse já miserável verificar que a atual maioria camarária fechou os olhos ao armazém clandestino do seu amiguinho de partido, que, não fora a denúncia dos vereadores da CDU, assim continuaria clandestino… como se não fosse já escandaloso que a Câmara se prepare para legalizar um armazém clandestino cuja implantação extravasa inclusivamente os limites do terreno em questão…como se tudo isto já não fosse triste demais, a atual maioria camarária PS/CDS, com o PSD a reboque, prepara-se para nem sequer abrir, como a lei impõe, processo de contraordenação e, muito menos, aplicar qualquer tipo de sanção.

Ou seja, em Alcochete “quem come à mesa” da atual maioria camarária tudo pode, ser favorecido ilegitimamente e realizar obras clandestinas que não sofre qualquer tipo de penalização.

Que dirão os demais munícipes que à mínima situação se veem logo confrontados com processos e coimas

Esta situação é insustentável e intolerável num Estado democrático e de direito.

As autoridades competentes têm que agir, sob pena de se gerar descrença nas nossas instituições da tutela e da justiça, e de se engordar assim ainda mais a “besta populista”.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui