Setúbal

Dores Meira fala sobre a sua prestação enquanto autarca e crítica gestão do PS

publicidade

Maria das Dores Meira está no terceiro e último mandato à frente da Câmara Municipal de Setúbal e ao Jornal Concelho de Palmela fez balanço da sua prestação a comandar o destino dos setubalenses, desde 2006.

“A nossa prestação foi espectacular, como eu disse ninguém caminha sozinho, há uma canção que diz que até os mortos vão ao nosso lado. Aqui caminhamos todos juntos e foi um trabalho que vai ficar aqui na história, vai ficar escrito aqui em Setúbal. Entregamo-nos de alma e coração, e com uma grande paixão, e à medida que se mudava uma coisa corríamos logo para mudar outra”, avalia a autarca à referida publicação.

A presidente da Câmara Municipal de Setúbal fez ainda duras críticas à anterior gestão: “Mudámos uma estrada, íamos logo mudar este edifício, não fizemos edifícios novos, mudámos a cidade, requalificámos a cidade, reconstruímos a cidade que foi deixada desorganizadamente, com crimes urbanísticos muito graves”, denuncia.

Ao PS imputou ainda a responsabilidades: “Eu denunciei agora alguns na resposta a um comunicado do PS, mas aquilo foi uma coisinha por alto, aquilo tem de ser aprofundado e denunciado até com nomes de responsáveis que aqui estavam nesta casa. As pessoas que se foquem nisso, no que caminhavam e no que viam”, reforça.

A resposta a que Maria das Dores se refere é a seguinte publicação no seu Facebook:

A edil sadina disse ainda que: “A cidade estava fechada ao rio, não tinha relação com o rio. A cidade não tinha turismo e hoje é uma cidade com turismo e turismo sustentável. A cidade era uma das mais sujas deste país, quando entrámos aqui em 2001 havia um artigo na capa da “Visão” a dizer que “Setúbal era considerada das cidades mais sujas de Portugal” e hoje nós puxámos o brilho a este diamante que é Setúbal, demos-lhe luz”, conclui.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui