Crime

Dois detidos por fraude com aplicação MB Way a mais de 170 contas bancárias

- publicidade -

A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica (UNC3T) e o DIAP de Lisboa deteve, esta quarta-feira, dois indivíduos com 27 e 28 anos de idade, presumíveis autores de vários crimes de burla informática agravada, falsidade informática e acesso ilegítimo.

O Inquérito iniciou-se em meados de outubro de 2020 tendo por base a investigação de vários casos de fraude com recurso à captura de credenciais ‘Phishing’, através de mensagem de correio eletrónico que simulavam serem remetidas pela entidade gestora da aplicação MB Way, tendo como resultado um elevado número de movimentos (levantamentos ou compra de artigos) não autorizados, concretizados através da dita aplicação com dados de terceiros.

As várias diligências encetadas que contaram com a colaboração da SIBS culminaram na identificação dos suspeitos, autores das várias ações criminosas.

A estratégia investigatória visou a localização e agrupamento das diversas participações que se encontravam dispersas por várias comarcas, por forma a demonstrar a atividade delituosa reiterada dos suspeitos, conjugando e analisando toda a informação de forma a identificar/localizar os suspeitos.

Na sequência das detenções e buscas domiciliárias procedeu-se à apreensão de vários objetos relacionados com a prática criminosa, assim como a uma quantidade significativa de artigos adquiridos de forma ilícita.

O valor da fraude atingiu, até ao momento, um valor de cerca de centena de milhares de euros estando referenciados mais de 170 cartões/contas bancárias, prevendo-se que este valor possa aumentar com a continuação da investigação.

Os detidos irão ser presentes a primeiro interrogatório judicial, para aplicação da medida de coação considerada adequada.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui