Atualidade

Dia Europeu da Vítima de Crime assinalado hoje

- publicidade -

O Dia Europeu da Vítima de Crime foi instituído pelo Victim Support Europe (VSE), organização que reúne 61 instituições de apoio à vítima oriundas de 31 países europeus, para recordar os direitos de quem é vítima de crime.

A APAV assinala esta data com uma apresentação, amanhã 23 de fevereiro, pelas 10h00, no Youtube da APAV, do Programa de Prevenção Hora de SER – Sensibilizar e Educar para os Relacionamentos, onde vão ser lançadas as campanhas ‘Podes não acreditar, mas existe’ e ‘Tu consegues superar’.

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima foi um dos membros fundadores do VSE e atualmente a presidência é ocupada por João Lázaro, também Presidente da APAV.

De entre os 68 serviços de proximidade, que corporizam atualmente a missão principal da APAV – apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais – as crianças e jovens continuam a merecer particular atenção, independentemente do fenómeno violento de que foram alvo.

Além de poderem beneficiar de apoio não presencialmente, através do Serviço Integrado de Apoio à Distância, as crianças e jovens poderão recorrer a um dos Gabinetes de Apoio à Vítima, Equipas Móveis de Apoio à Vítima ou Polos de Atendimento em Itinerância.

Em caso de situação de Violência Doméstica ou de Tráfico de Pessoas, as crianças e jovens poderão ser acolhidos/as, juntamente com as suas mães, numa das duas Casas de Abrigo ou no Centro de Acolhimento e Proteção da APAV.

Também o Comando Territorial de Setúbal, através dos Núcleos de Investigação e de Apoio a Vítimas Específicas e das Secções de Policiamento Comunitário e Prevenção Criminal, não deixou de assinalar a data.

Na sua página de Facebook apresenta alguns dos seus programas de investigação e sensibilização relacionados com a violência cometida essencialmente sobre idosos, crianças, mulheres e outros grupos específicos de vítimas.

«Desta forma pretende-se alertar a sociedade em geral para esta problemática, alterando mentalidades e qualificando a resposta operacional da Guarda Nacional Republicana, tanto ao nível da prevenção como da investigação criminal.»

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui