Política

“Devem ser retirados os ovários” a mulheres que abortem, defende moção do Chega

Na II Convenção do Chega, que decorreu no passado fim de semana em Évora, foi discutida a "Moção Estratégica Global para Portugal".

publicidade

Na II Convenção do Chega, que decorreu no passado fim de semana em Évora, foi discutida a “Moção Estratégica Global para Portugal”.

Aqui surge um polémico ponto que pede a remoção dos ovários a mulheres que abortem, numa proposta de Rui Roque, antigo militante do PNR (Partido Nacional Renovador).

“As mulheres que abortem no Serviço Público de Saúde, por razões que não sejam de perigo imediato para a sua saúde, cujo bebé não apresente malformações ou tenham sido vítimas de violação, devem ser retirados os ovários, como forma de retirar ao Estado o dever de matar recorrentemente portugueses por nascer, que não têm quem os defenda no quadro atual”, pode ler-se.

A medida seria para “não impor aos médicos esta prática [aborto] de forma recorrente na mesma mulher. Num país onde nascem 80 mil bebés por ano, 25% deste número é abortado”, defendeu Rui Roque.

Certo é que depois de vir a público, choveram críticas nas redes sociais.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui