AtualidadeCulturaLisboaNacionalSociedade

Descobertos vestígios de ocupação pré-histórica na Ota

É considerado um dos sítios mais intrigantes da península de Lisboa e existiu desde as primeiras ocupações, no período Calcolítico.

publicidade

Uma torre do período Calcolítico e vários artefactos foram descobertos no planalto do Canhão Cársico de Ota, em Alenquer, durante as escavações realizadas por arqueólogos portugueses e espanhóis.

Em 2019 já tinha sido descoberta uma estrutura murada com uma extensão de 170 metros, datada de 2500-2250 a.C. e agora os arqueólogos puseram a descoberto “uma torre que lhe está adossada, na área que seria o acesso ao sítio [arqueológico da OTA], em períodos pré-históricos”, disse à agência Lusa Ana Catarina Basílio, investigadora do Centro Interdisciplinar em Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano da Universidade do Algarve.

A escavação permitiu aos arqueólogos perceber que naquele que é ainda “um dos sítios mais intrigantes da península de Lisboa” existiu desde as primeiras ocupações, no período Calcolítico, “uma combinação muito óbvia entre o que já existia, entre a base geológica, e uma construção antrópica [feita pelo homem] por cima do geológico de base”, acrescentou a arqueóloga corresponsável.

Foram também descobertos vários elementos típicos daquele período pré-histórico, como cerâmicas decoradas, pontas de seta e lâminas em sílex, elementos de osso polido ou uma enxó (instrumento usado para desbastar).

Para já, da campanha deste ano fica ainda a constatação de que o chão pisado na serra da Ota, ao longo da campanha, “seria possivelmente o mesmo que [pisaram] as populações que aqui habitariam anteriormente”, uma vez que “a potência estratigráfica”, ou seja, relativa às camadas de terras que cobrem os achados estudados, “é muito reduzida”.

O sítio arqueológico da Ota foi descoberto em 1932 e as campanhas atuais inserem-se num projeto financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, com coordenação de Ana Catarina Basílio e de André Texugo Lopes, investigador do Centro de Estudos Geográficos e do Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui