Crise dos combustíveis já chegou ao gás de garrafa

A situação é preocupante e “insustentável” quem o afirma é Francisco Albuquerque que salienta que para além da falta de combustível o gás será o próximo a ter ruturas

0
520
Tempo de Leitura: 1 minuto

O presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustível (ANAREC) mostra-se preocupada com a situação que o país está a passar com a greve dos profissionais que conduzem diariamente os pesados com matérias perigosas. A preocupação do responsável pela ANAREC também centra-se na situação do canal de revenda de gás engarrafado propano e butano, já existe registo de “ruturas” na comercialização de gás em garrafa.

Para Francisco Albuquerque toda a situação vivida nas últimas 48 horas é “insustentável” e apela ao diálogo entre as <<partes envolvidas>> para que negociei e acabem com o “flagelo” que se vive no país.

A requisição civil não resolve o problema que Portugal está a viver com a paralisação dos motorista de matérias perigosas.

A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro) já fez saber também que o abastecimento aos postos em Lisboa e Porto são insuficientes e que não estão a resultar efeitos, levando a postos de combustível a encerrarem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome