Destaque

Covid19: Novo recorde de óbitos em 24 horas no país

publicidade

O novo boletim epidemiológico da Direção Geral de Saúde (DGS) dá conta que nas últimas 24 horas Portugal registou o número mais elevado de óbitos desde o início da pandemia, com mais 46 mortes, elevando para 2.590 os óbitos.

Há neste momento mais 2.506 casos confirmados, para um total 146.847 casos, e 50.963 ativos (+937).

O país regista 83.294 (+1.523) pessoas recuperadas e 66.428 (+1.623) contactos em vigilância, estando 2.255 pessoas em internamento (+133) e 294 em cuidados intensivos (+10).

O norte do país voltou a registar a maior subida das últimas 24 horas, agora com 66.145 (+1.202) e 1.151 óbitos (+20), seguida de Lisboa e Vale do Tejo, que soma 61.064 (+845) e 1.021 (+17) óbitos, o Centro com 13.050 (+333) e 323 óbitos (+6), o Alentejo com 2.854 (+46) e 50 óbitos (+1), e o Algarve regista 2.904 casos positivos (+66) e 29 óbitos (+1).

Nas ilhas, os Açores registam agora 371 casos confirmados (+1) e mantem 15 óbitos, e a Madeira 459 (+13), com 1 óbito.

Ao contrário do que tem vindo a ser habitual, hoje a DGS, não apresenta dados por concelho, com Graça Freitas a explicar que estes vão passar a ser divulgados com novo formato em “incidências acumuladas a quinze dias”.

Numa nota no relatório é explicado que «os dados por concelho serão atualizados durante esta semana, na sequência da reformulação dos indicadores relativos aos novos casos de COVID-19 pela Direção-Geral da Saúde.

As medidas de controlo de COVID-19 têm por base a incidência cumulativa a 14 dias, que corresponde ao número de novos casos nos últimos 14 dias por 100 000 habitantes. Pretende-se que esta seja a principal métrica utilizada na avaliação de risco de cada concelho para que os cidadãos possam acompanhar a evolução da pandemia nos concelhos.»

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui