Quantcast Choice. Consent Manager Tag v2.0 (for TCF 2.0)
AtualidadecoronavírusNacional

Covid-19: Epidemiologista alerta para inverno “mais severo”

- publicidade -

O médico de Saúde Pública Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, diz “não houve verdadeiramente um planeamento e os problemas que enfrentamos na região de Lisboa e Vale do Tejo estão, por demais, à vista”.

Em declarações à agência Lusa, o médico epidemiologista disse ainda que “se quando chegar o inverno já estivermos neste patamar”, é real a possibilidade de as coisas “entrarem num crescimento ainda mais difícil de controlar”.

“Nós devíamos agora, durante um período em que não estamos tão pressionados com outros problemas de saúde, como é o caso da gripe, conseguir empurrar os números para baixo, mas para isso temos que pôr recursos no terreno para conseguirmos controlar a situação”, defendeu Ricardo Mexia.

Este inverno será a primeira vez que a gripe sazonal coincide com a covid-19 e a época de vacinação da gripe deverá começar mais cedo, sobretudo no que diz respeito aos profissionais de saúde.

O médico alertou ainda para a população se prepar “para um inverno um pouco mais severo, no sentido de haver, eventualmente, um maior número de casos” de covid-19.

“A minha expetativa é que agora, com o tempo, com mais recursos para programar essa nova realidade, se consigam ter as coisas mais bem preparadas para o inverno”, declarou o clínico.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 560 mil mortos em todo o mundo e infetou mais de 12 milhões e meio de pessoas em 196 países e territórios.

Em Portugal, morreram 1.654 pessoas das 46.221 confirmadas como infetadas.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui