coronavírus

COVID-19: Enfermeiros portugueses pedem reforço urgente

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) pede o reforço urgente das equipa médicas, devido ao esforço extremo causado pela Covid-19.

publicidade

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) pede o reforço urgente das equipa médicas, devido ao esforço extremo causado pela Covid-19.

Em comunicado, o SEP diz que “desde março (início da pandemia), que os enfermeiros integrados nas equipas de saúde pública trabalham, na sua maioria, 7 dias por semana, 10 horas por dia, sem terem a possibilidade de gozar feriados, tolerâncias e até os dias de descanso e folga previstos na legislação.

A estas unidades estão alocados apenas 1/3 dos enfermeiros necessários e se nada for feito, espera-se um agravamento do cenário acima descrito. Relembramos que é da responsabilidade destes profissionais, desenvolverem todos os contactos com os cidadãos sobre vigilância activa – doentes COVID – e os em isolamento profiláctico (suspeitos)“, pode ler-se.

Para além disso “são também responsáveis, conjuntamente com outros profissionais, por desencadearem as visitas/auditorias a equipamentos de saúde de natureza variada, intervir nas situações desportivas que entretanto, aconteçam, etc.

É absolutamente necessário o reforço das equipas, preferencialmente reforçando-as com Enfermeiros Especialistas em Saúde Pública, cumprindo, assim, a legislação que determina que enfermeiros com estas competências deverão ser alocados a estas unidades“.

O SEP sublinha que “o aumento do número de casos nos últimos dias e a previsão do aumento exponencial nos próximos tempos, associado à abertura das escolas, aos eventos desportivos, etc., deverá determinar por parte do governo a admissão de enfermeiros e à mobilização de Enfermeiros Especialistas de Saúde Comunitária para estas unidades”.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui