Atualidade

Contraordenações de trânsito e falsos alertas por email e SMS usados para phishing

- publicidade -

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) está a alertar, através das redes sociais e numa mensagem no seu site, para uma campanha de phishing na qual estão a ser enviados emails falsos.

As mensagens são enviadas por email, usando no assunto a referência a um auto de contraordenação e a referência à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, onde é pedido ao cidadão que carregue num link disponibilizado na mensagem.

«Tratam-se de emails são falsos, que devem ser de imediato apagados”, alerta a ANSR. “São tentativas fraudulentas de obter informações confidenciais. Todas as notificações da ANSR são efetuadas por correio.»

Quem recebe o email fica convencido que este parte da ANRS, uma vez que a mensagem parecer proceder dessa entidade e apresenta indicações semelhantes de uma multa não paga, referindo um número de contraordenação, data, hora e local, e a infração associada, de inversão do sentido de marcha.

Os links parecem apontar para o site da ANRS mas estão mascarados, como acontece neste tipo de ataques. O mesmo se passa com o endereço do remetente, que aparenta ser oriundo do endereço da ANSR.

É cada vez mais frequente este tipo de ataque, e os temas variam desde o pagamento de coimas, facturas em atraso, alertas de corte de serviços, encomendas e até avisos de bancos (Millennium e Novo Banco) em como as contas foram suspensas.

Em comum têm um link para o qual a vítima é dirigida e onde tem de introduzir dados, que depois são usados por redes de phishing.

Um dos mais recentes estudos da Kaspersky revelou que Portugal é o segundo país mais afetado por campanhas de phishing. Os dados demonstram que, no segundo trimestre do ano, 13,51% dos utilizadores portugueses foram vítimas de ataques.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui