AlmadaPolítica

Concelhia do CDS-PP Almada reuniu com SIM

publicidade

Em nota de imprensa, a Concelhia de Almada do CDS-PP dá conta de uma reunião que teve com o Sindicato Independente dos Médicos (SIM), esta sexta-feira, onde foi debatido o problema da falta de médicos de Pediatria com o encerramento da urgência em período nocturno e aos fins de semana do serviço de atendimento de Pediatria do Hospital Garcia de Orta em Almada.

A presidente da Concelhia de Almada, Sara Machado Gomes, entende que «a falta de investimento no Serviço Nacional de Saúde em simultâneo com a falta de um plano nacional de investimentos prioritários no mesmo sector tem prejudicado ao longo dos anos a prestação do serviço de cuidados médicos junto das populações».

Também a falta de adesão de médicos para as cinco vagas na Pediatria no HGO, «é bem o espelho de que no momento os profissionais de saúde, neste caso, os médicos, olham para estas vagas como não-apelativas à sua condição e à sua carreira, razão pela qual, há um profundo diálogo e um profundo planeamento que deve ser feito num futuro muito próximo, sob pena de se agudizar ainda mais o fosso quer entre a prestação de cuidados médicos entre os profissionais e os utentes, e os profissionais e a classe politica detentora das decisões».

Da reunião, o CDS-PP Almada destaca ainda a posição do SIM, divergente do ACES Almada/Seixal e do Ministério da Saúde, «que defende que os médicos do ACES Almada/Seixal, foram obrigados e realizar trabalho extraordinário em virtude do encerramento da Urgência Pediátrica do HGO» e dá mesmo conta de «identificadas ilegalidades como o ultrapassar o máximo de 2 horas extraordinárias dia; mais de 2 períodos de trabalho dia e o desrespeito das 11 horas entre jornadas de trabalho».

O Sindicato dos Médicos Independentes defende ainda que «a resolução de muitos dos problemas da classe profissional está na falta de remuneração adequada à função ao qual não é também atractiva do ponto de vista da mobilidade geográfica tendo em consideração os custo que acarretam, sublinhando ainda, que o número de população sem médico de família é um dos problemas que o SIM gostaria que fosse resolvido, manifestando ao mesmo tempo, a falta de investimento que o actual Governo do país tem para com o sector da saúde».

O CDS-PP Almada sublinha que «ouviu já o ACES e o departamento clínico do Centro de Saúde Rainha Dona Leonor em Almada, e o Deputado Municipal do CDS-PP, António Pedro Maco, acompanha esta matéria na 5.ª Comissão Permanente da Assembleia Municipal de Almada (AMA), tendo já ouvido a respectiva comissão o Presidente do Conselho de Administração do Hospital Garcia de Orta, Dr. Luís Amaro».

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui