AtualidadeDesportoDestaqueSetúbal

Clubes do distrito de Setúbal: O que esperar esta época?

O Diário do Distrito falou com vários clubes sobre a nova temporada.

- publicidade -

A chegada a agosto é sinónimo de nova temporada de futebol. O Diário do Distrito contactou vários clubes da margem sul do Tejo, do Distrito de Setúbal, para saber como está a correr a preparação da presente temporada e que expectativas estão traçadas.


Amora FC

O treinador do Amora Futebol Clube, Bruno Dias, não quis apontar à subida de divisão, mas diz que “a expectativa é que sejamos capazes de lutar pelos 3 pontos a cada jogo, ser uma equipa competitiva e mostrar a qualidade que temos individualmente e de forma coletiva”.

Quanto ao regresso dos adeptos, o técnico sublinha que este é “um momento que todos nós aguardávamos, os adeptos estarem presentes. Será fantástico para todos, especialmente para os jogadores porque vão voltar a sentir o barulho das bancadas. Faz com que tenham a capacidade de se transcender maior ainda e será muito bom para todos, principalmente para aqueles que têm grandes massas adeptas e muito ligadas ao clube, que é o caso do Amora. Acredito que os nossos adeptos vão estar presentes e ajudar a cada momento”.


Clube Desportivo Recreativo Águas de Moura

O diretor desportivo CDR Águas de Moura, Miguel Martins, falou sobre a preparação da próxima época, que está a “decorrer de uma forma muito tranquila”. Devido ao facto de o clube não ter competido o ano passado, acredita que esse tempo foi importante para “projetar e escolher quem iria ser o nosso treinador bem como os nossos jogadores. Desta forma, o clube acredita que “idealizou a preparação da época com calma e com objetivos bem definidos”.

A pandemia continua a ser uma pedra no sapato dos clubes e, na época passada, o CDR Águas de Moura “decidiu não entrar no campeonato pois achámos que não estavam reunidas as condições de segurança necessárias para fazer um trabalho em condições”. Esta época e com “a vacinação de todos os funcionários do clube e com a sensibilização para a vacinação dos nossos jogadores, cumprindo as normas impostas pela DGS, temos o clube adaptado e sensibilizado para termos uma época normal”.

Sobre os objetivos para esta época, Miguel Martins tem a noção “da competitividade deste campeonato”, mas o diretor desportivo acredita que o clube trabalha para fazer “uma época sem sobressaltos e de aprendizagem.” Pela 2º vez na história do clube, a equipa vai competir na 1ª distrital e que, com um grupo “de pessoas ambiciosas, que tem um treinador e jogadores jovens com uma motivação enorme e com uma margem de progressão gigante”.

A direção do CDR Águas de Moura acredita que, “juntando todos estes fatores e um pouco de sorte iremos ganhar mais vezes do que aquelas que vamos perder. E será esse o nosso objetivo, criar um espírito ganhador no clube que orgulhe a terra e os seus associados”.


Clube Olímpico do Montijo

Hugo Pacheco, diretor desportivo do Clube Olímpico Montijo, demonstrou-se positivo para a presente temporada. Face à descida na época transata, é esperada “uma equipa competitiva e ambiciosa, que lute pela vitória todos os jogos e pela melhor classificação possível e que, a cima de tudo, voltar a aproximar o clube da cidade, acreditando ser possível o voltar dos adeptos aos estádios. O Montijo tem o futebol no seu ADN, o clube tem adeptos fervorosos e exigentes, e queremos estar ao nível dessa exigência”.

Com o regresso ao Campeonato de Portugal na mira, Hugo Pacheco diz haver o sentimento interno de “querer voltar a colocar o Olímpico Montijo no patamar que merece”, sabendo que vai ser “uma luta muito grande”.

Sobre a pandemia, espera que “tudo regresse à normalidade, dentro do possível” e que a massa associativa do clube do Montijo possa estar presente, “uma mais valia para o clube”.

- publicidade -

Marco Bicho é o novo treinador do clube, que no passado teve essa função nas camadas jovens, “é uma aposta pessoal minha e de grande confiança da administração”. Diz ser ambicioso e exigente, “enquadrando-se no perfil que pretendemos no Olímpico do Montijo”.


Grupo Desportivo de Sesimbra

O presidente Sebastião Patricio abordou o objetivo do Grupo Desportivo de Sesimbra, que passa por “fazer um bom campeonato. É um campeonato diferente, 38 jornadas, 20 clubes. É um campeonato difícil com candidatos assumidos, aquilo que podemos afirmar é que queremos fazer um bom campeonato, ganhando o máximo de jogos possíveis, fazendo as contas no final. Estamos conscientes que será um campeonato muito difícil”.

A nível de plantel, o ADN está na formação, com “60% de jogadores da formação ou de Sesimbra, o restante não é de cá, uma conjugação de jogadores jovens com jogadores mais experientes, dotando que subimos seis jogadores de juniores, é uma articulação”.

A pandemia trouxe um novo contexto, mas o presidente do GD Sesimbra acredita, “dentro da anormalidade”, que o clube conseguirá fazer “uma época normal”.


Grupo Desportivo dos Pescadores da Costa de Caparica

A preparação começa no final deste mês, com António Martins, presidente do Grupo Desportivo dos Pescadores da Costa da Caparica, a afirmar que a grande aposta passará pela formação, “é e será um dos pilares do clube”.

Falou das dificuldades de adaptar à pandemia, dizendo que o clube “conseguiu ultrapassar algumas barreira que são colocadas pelo covid-19”. O clube está preparado a nível de staff médico e organização para cumprir as normas necessárias, “já encaramos isto de outra forma. Estamos mais bem preparados, mas nunca para tudo. O problema é encarado com alguma regularidade e à vontade”, mantendo sempre o alerta.

A nível classificativo, é a manutenção, “depois, tendo já essa segurança, iremos tentar a melhor posição possível, mas de acordo com o nosso orçamento, que é baixíssimo, possível para um equipa sénior, pensamos primeiro na manutenção na primeira distrital”.


Grupo Desportivo Fabril Barreiro

O treinador da equipa sénior do Grupo Desportivo Fabril Barreiro, João Nuno, abordou a preparação da época que para o técnico “está a correr bem”. Sobre o plantel, acredita que o seu “grupo jovem, tem muita ambição e motivados para o desafio que vamos ter pela frente”.

A pandemia continua a ser uma dificuldade para os clubes, e a formação do Barreiro sabe que “a situação da pandemia provoca sempre situações difíceis de controlar”. Na época passada, a equipa do GD Fabril não parou devido à pandemia, algo que o treinador pensa que “pode ajudar nesse aspeto”, mas considera que “é sempre uma situação diferente e difícil de controlar a 100%”.

Questionado sobre os objetivos da equipa esta época, e depois da descida de divisão para as distritais, João Nuno foi claro e não tem dúvidas: “Tentar vencer todos os jogos que vamos disputar”.


Paio Pires Futebol Clube

É tempo de mudanças no Paio Pires Futebol Clube. Depois de anos difíceis e quase sem jogadores para formar equipas, o clube apresenta agora uma nova uma equipa de seniores, na 2ª divisão distrital, uma equipa de sub-22 e juniores.

O diretor desportivo, João Nogueira, revelou que o clube prevê “ter os escalões todos”. Na equipa sénior o “plantel já está idealizado, mas vão acontecer mais captações. Queremos disputar o campeonato e estar lá em cima, é o nosso discurso. A equipa é boa mas temos de colocar as nossas expectativas altas”.

O dirigente sublinhou o regresso dos adeptos: “Os sócios do Paio Pires são poucos mas bons. A ambição é abrir as portas ao público e desejamos que nos apoiem o mais possível em todos os escalões, porque estar num campo vazio é como um jardim sem flores”.


Palmelense Futebol Clube

Sobre a preparação da época da equipa sénior, Vitor Hugo, responsável pelo futebol do Palmelense FC, disse que o objetivo “passará por garantir a manutenção o mais rápido possível, disputar todos os jogos, sempre com o intuito de vencer cada partida que tivermos pela frente.” Sem qualquer vitória no campeonato na época passada, disse haver a necessidade de “limpar a imagem do ano que passou, com futebol bonito, organizado e atraente que orgulhe os sócios e todos os palmelenses”.

Apesar do contexto pandémico, a época está a ser preparada “dentro da normalidade”, com o grupo a trabalhar fortemente para “enfrentar o duro campeonato que se avizinha, com aqueles que aceitaram e quiseram continuar para encarar o desafio e os que chegam de novo com muita vontade de trabalhar para ajudar o clube a atingir os seus objetivos”.


Seixal Futebol Clube 1925

Para o presidente Hugo Rodrigues, o futuro do clube passa pela “aposta claramente em dar as melhores condições possíveis para a prática do desporto, tudo que está ao nosso alcance é entregue aos nossos treinadores e atletas, para que o desenrolar da atividade física se desenrole dentro da normalidade e satisfação pessoal, assim sai reforçado o coletivo e por consequência o próprio clube”.

A nova realidade, a pandemia, trouxe adversidades ao futebol, tanto a nível financeiro como humano, diz o presidente do Seixal Clube 1925. “Hoje para se estar ligado a um projeto desportivo tem que se estar em constante processo de formação, tudo pode mudar de uma semana para a outra, todos agentes desportivos são obrigados a viver intensamente os clubes para estarem minimamente preparados para fazer face às exigências impostas”.

O clube inicia os treinos no dia 23 de agosto, com uma época delineada no projeto que a direção tem para o clube, a aposta na formação. “Para prosseguir no nosso caminho, rumo ao ponto que queremos chegar, na época anterior formámos a equipa B sénior, por um lado para prevenir o abandono precoce dos atletas e por outro prepará-los melhor para a  exigência e realidade de um campeonato sénior. Não podemos querer encurtar caminhos, temos que ser ambiciosos, otimistas mas também calculistas, primeiro temos que consolidar o clube na primeira distrital, e à medida que seja possível englobar os nossos rapazes da formação no plantel principal, o qual maioritariamente têm ADN Seixal”, disse Hugo Rodrigues.

Sobre o crescimento do clube e ambição de chegar a divisões superiores, o presidente deixa a garantia de que  “o crescimento do futebol do clube será sustentado pelas suas gentes, pela força e capacidade da formação. Somos conscientes do valor do nosso trabalho, somos conscientes do que já conseguimos e queremos atingir, somos conscientes da grandeza do nosso emblema, mas não esquecemos o passado recente. A certeza que podemos dar não é a segunda ou terceira liga,  é a de que iremos continuar a promover o desporto com muita dedicação, e intensa paixão em prol da melhor representação do nosso clube, da nossa cidade e concelho”.


União Futebol Comércio e Indústria

O União Futebol Comércio e Indústria iniciou a preparação da época a 9 de agosto. O presidente Vítor Augusto prevê um campeonato competitivo, ”sabendo que as expectativas por si só não ganham provas, é intenção primeira do Clube a valorização do trabalho de grupo tentando gerar do plantel um balneário robusto e confiante como base e condição para a dignificação da imagem do emblema”.

Tendo a formação como pilar, a aposta “reside na valorização do conjunto, onde pontuam jovens oriundos da formação e na competência da equipa técnica. Os frutos deste investimento poderão levar o clube a uma aposta firme na conquista dos lugares cimeiros da tabela, ciente das dificuldades e assente no respeito pelos restantes clubes do distrito”.

Ainda na ressaca do choque pandémico, o presidente do clube acredita que “os desafios não se ganham antecipadamente. É nessa postura e atitude que continuaremos a respeitar as medidas preventivas anti-Covid19 e a promover a vacinação dos atletas e staff técnico. Fomos dos primeiros a redigir e respeitar as Normas da Direção-Geral de Saúde, o plano de contingência no âmbito da pandemia e, por coerência de princípios, continuaremos a fazê-lo”.

Vítor Augusto acredita que “a preparação da época virá ao encontro de um novo ciclo que reabilitará a saúde mental e atlética dos agentes desportivos e devolver ao futebol o estatuto de desporto-rei e espetáculo que, por inerência, terá espectadores a estimular o rendimento das equipas”.


União Sport Club

Pedro Duarte, treinador do União Sport Club, conhecido como União de Santiago, falou sobre como está a ser construído o plantel para a próxima época. O clube conseguiu segurar a maioria do plantel da época passada, “saíram três jogadores de resto era nosso objetivo dar continuidade a espinha dorsal da equipa”. O clube conta agora com “quatro novos jogadores para acrescentar mais qualidade a equipa e também opções”.

Sobre a situação pandémica, o clube espera que volte tudo ao normal, “mas enquanto dura esta situação temos de respeitar todas diretrizes Direção-Geral de Saúde como já o fizemos na época passada após retoma, no qual se deve enaltecer a organização pela AF Setúbal e dos clubes que antes cada jogo estávamos mais tranquilos, fazíamos testes, que foi fundamental para levar campeonato até ao fim”.

Acerca dos objetivos, o clube pensa jogo a jogo “tentar conquistar o três pontos respeitando todos adversários, sabendo que vai ser campeonato muito competitivo”.


Vasco da Gama Atlético Clube

No Vasco da Gama Atlético Clube, o objetivo passa por “trabalhar a equipa para chegar preparada para ganhar o primeiro jogo”. O clube prevê um campeonato “longo e desgastante”, mas, apesar de ser amador, “o amor ao clube que jogadores, treinadores e direção têm vai superar as dificuldades”.

A direção procura dar todas as condições ao jogadores e staff, enfrentando as adversidades da pandemia. O clube está confiante para uma boa época, onde “os jogadores têm sido muito foçados e empenhados” para alcançar o sucesso no clube.

__
Nota: Foram contactados outros tantos clubes do distrito de Setúbal, dos quais o Diário do Distrito não obteve resposta.

Artigo escrito por Hugo Filipe, Rafael e Pereira e Ricardo Costa.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo