Opinião

Cidadania para totós e futebóis

Esta semana um artigo de opinião de Samuel Marques

publicidade

Caríssimos(as) leitores(as) esta semana o tema da nossa “aula” é a cidadania e o desenvolvimento de cidadãos. Não, não se preocupem. Não vos vou falar que podem trocar de sexo sempre que se chateiem com aquele que têm.

Ao longo dos últimos tempos o governo decidiu, vá-se lá saber porquê, que deveria tomar a cargo a educação das crianças na escola. Será que vocês como pais são assim tão incapazes de realizar essa tarefa?

Estas novas aulas de carácter obrigatório ao contrário das de religião e moral que são opcionais, são a nova forma de moldar, endoutrinar e baralhar a cabeça dos miúdos.

A educação sexual em meio escolar deveria resumir-se à parte da anatomia humana e à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e gravidezes indesejadas. E já agora nesse molde alertar os alunos para que o sexo sem consentimento constitui um crime grave passível de pena de prisão. E que os alunos devem denunciar. Isto sim seria válido. Mas não, os temas da disciplina de cidadania e desenvolvimento neste campo vão desde sexualidades alternativas.

Até à ESTUPIDEZ de incutirem nas crianças que a biologia não é perfeita e que no caso alguns deles cometeu o erro tremendo de lhes dar o sexo errado. Ora a biologia não se engana se assim fosse alguns nasceriam com escamas ou chifres.

A sexualidade discute-se com rigor científico normalmente com adolescentes a partir dos 15 anos. E não com agendas políticas como aquela proposta de lei do BE onde os jovens podem processar os pais por não os deixarem mudar de sexo. O que é um profundo disparate, com consequências psico-sociais graves.

Que um adulto pretenda mudar de sexo é problema dele. Afinal é maior e vacinado. E fará do seu corpo o que bem entender.

Assim como uma pessoa que seja homossexual ou bissexual ou lésbica não me afecta nada. Nem a sociedade tem que ter opinião. Pois o que faz um adulto entre quatro paredes de forma consentida e numa relação amorosa com outro adulto apenas a si lhe diz respeito.

E antes que me chamem de reacionário, eu fui uma das pessoas que estive na luta para que o casamento homossexual existisse. Tratava-se de uma coisa entre adultos e para adultos. E tive um debate bastante aceso com a deputada do PSD à época candidata à CM de Lisboa Teresa Caeiro. Nesse momento referi-lhe que se os homossexuais pagam impostos têm o mesmo direito de se casar que os heterossexuais.

Agora não podemos é andar a fazer experiências sociais com os filhos dos outros. Isto que se está a passar são atentados ao direito à inocência na infância. A sexualidade é algo pessoal que cada um descobre ao seu ritmo e à sua maneira. Faz parte do processo de crescimento e que aprende por experiência própria.

Nenhum(a) rapaz e ou rapariga vai chegar à sala de aula e dizer: Hoje quero falar da minha primeira experiência sexual. Ou sobre as dúvidas se é rapaz ou rapariga.

Essas dúvidas a existirem deveriam isso sim ser faladas com algum ou alguma psicólogo(a) escolar. É muito mais seguro para a criança.

Continuando na disciplina: há aqui temas interessantes e até meritórios como direitos humanos; inter-culturalidade; mundo do trabalho; igualdade de género, ou seja, igualdade entre homens e mulheres. Sim porque se nasce homem ou mulher e não há nada nem construção político-social que altere o facto de os nossos cromossomas se emparelharem em XY (homem) ou XX (mulher) e não inventem mais baboseiras. Ninguém é homem à segunda-feira e mulher às terças e quintas-feiras.

A malta do PS e BE devem querer mudar a natureza por decreto ou reeducar-nos à força. E já agora também mudar as leis da biologia.

Já parecem os terraplanistas. A estupidez conjugada com agenda política produz sempre desastres grandes como o caso do mar de Aral na antiga URSS. E a morte dos pardais na China de Mao durante o grande salto em frente.

E o que me espanta é que muitos pais anuem a isto tudo. Talvez porque não passam muito tempo com os filhos ou talvez porque a TV, o computador e outros artefactos similares sejam os preceptores dos filhos.  

Mas voltando aos temas que me agradam INSTITUIÇÕES E PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA. Ora aqui está um tema giro e meritório.

Depois de muito se escrever nas redes sociais sobre a comissão de honra da candidatura de LFV ao Benfica, o homem lá ganhou vergonha e desconvidou o António Costa (PM); Fernando Medina (CML) e Joaquim Santos (CMS). Não sem antes fazer um comunicado digno daquela personagem da animação o CALIMERO. E só fez o que fez por pressão das pessoas. Não por decência.

Então é assim que a esquerda que se acha moralmente superior?

E depois temos António Costa que dizia em 2016 que os membros do governo nem à mesa do café se poderiam esquecer de quem eram, mas agora esqueceu-se que era primeiro ministro e que há incompatibilidades óbvias? Hipócrita!!!

De Fernando Medina, o freteiro de serviço, nem vale a pena esperar muito. O homem conseguiu transformar o trânsito em Lisboa num fim do mundo em cuecas. A agenda política de achar que poderia por ciclovias em todo o lado numa cidade com 7 colinas não lembra ao careca.

E depois temos Joaquim Santos, presidente da Câmara Municipal do Seixal. É outro que vai na mesma berlinda. Nunca ficou muito claro de como é que o Benfica ficou com os terrenos para o centro de estágios. E corre nas redes sociais que alegadamente o SLB não paga a água da rede pública que consome, a troco de um lugar no camarote VIP para os lados de Carnide, no qual algumas figuras ‘graúdas’ cá do burgo já foram até fotografadas.

Do futebol à política, passemos para os 7 casos por acumulação indevida de cargos em autarquias no Baixo Alentejo geridas pelo PS, e que parece que se vão estender à margem sul.

É o PS cujo deputado Ascenso Simões vem para as redes sociais reparar nos decotes das senhoras. Que arma peixeiradas e desacatos com a PSP num profundo desrespeito à autoridade. Valendo-se para isso (cobardemente) da imunidade parlamentar. Onde a deputada Hortense Martins acabou condenada a pagar uma multa simbólica de 1000 euros por andar a receber subsídios de deslocação indevidamente.

Já o BE continua a sua agenda de desmantelar paulatinamente a sociedade portuguesa. É manifestações contra a estátua do Padre António Vieira; é terem um assessor que ficou conhecido pela frase “BOSTA DA BÓFIA”; que teve um candidato autárquico julgado por tráfico de estupefacientes; que tem uma deputada, Mariana Mortágua que vai de boleia com a apresentadora e atriz Filomena Cautela  completamente embriagada (1,4 gramas de Álcool) e foi apanhada pela PSP na Avenida Ribeira das Naus e depois presente a juiz.

Realmente precisamos de aulas de cidadania para formarmos cidadãos exigentes que quando forem votar nos ajudem a correr com esta gente que envergonharia qualquer cidadão de uma Europa civilizada. Por este andar até vamos passar pela vergonha de ver o Burkina-Fasso nos ultrapassar em termos de PIB e desenvolvimento humano.

Despeço-me por hoje esperando que tenham gostado da “aula”

Se não gostaram lembrem-se disto:

NÃO ESTOU AQUI PARA DISTRIBUIR CHOCOLATES.

Estou aqui para mostrar a realidade quer vocês gostem ou não. O facto é que não gostarmos de algo não altera a sua realidade.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui