AlmadaDistritoDistrito Setúbal

Centro Paroquial de Cacilhas confirma existência de acusações de abuso sexual

publicidade

A Direção do Centro Paroquial de Bem Estar Social de Cacilhas confirma que «em Janeiro de 2019 foi reportado pela mãe de um menor utente da pré-primária a existência de um alegado abuso sexual, que terá ocorrido nas suas instalações», num comunicado interno que a instituição emitiu esta terça-feira.

Depois de o jornal ‘Observador’ ter revelado que decorre uma investigação por alegados abusos sexuais a uma criança de cinco anos numa Creche Paroquial em Almada, e da Diocese de Setúbal ter divulgado um comunicado onde admite estar a par dessa investigação, como o Diário do Distrito noticiou, é a agora a vez do Centro Paroquial de Cacilhas emitir um comunicado interno sobre o assunto.

Segundo o jornal, a direção do Centro Paroquial de Cacilhas, do qual faz parte a creche, afirmou ainda no comunicado  «que em resposta às declarações da mãe do menor [que apontou o dedo ao padre], a Direção do Centro Paroquial de Bem Estar Social de Cacilhas informa que o Sr. Padre não se encontrava nas instalações deste centro à data dos alegados factos».

No entanto, a data em que os abusos terão ocorrido não foi definida pela mãe da criança, uma vez que quando esta levou o filho ao Hospital Garcia de Orta, a lesão que este apresentava já estava a cicatrizar.

Esta segunda-feira, o Observador noticiou que o Ministério Público abriu em Janeiro uma investigação a um alegado caso de abuso sexual numa creche da Igreja no concelho de Almada, depois de uma queixa apresentada pela mãe do menor.

Dois meses depois, o bispo de Setúbal, D. José Ornelas, enviou ao Ministério Público a informação de que circulavam na paróquia “rumores” de que a mãe apontava o pároco como suspeito dos abusos.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui