CDS questionou Governo sobre problemas no Serviço de Urgência Obstétrica e Ginecológica do HGO

Os deputados do CDS-PP Nuno Magalhães e Isabel Galriça Neto querem saber qual o verdadeiro motivo do não atendimento de grávidas em trabalho de parto pelo Hospital Garcia de Orta nos dias 7 e 8 de junho, se foi por falta de camas ou falta de médicos especialistas.

0
62
DR
Tempo de Leitura: 1 minuto

Os deputados do CDS-PP Nuno Magalhães e Isabel Galriça Neto querem saber qual o verdadeiro motivo do não atendimento de grávidas em trabalho de parto pelo Hospital Garcia de Orta nos dias 7 e 8 de junho, se foi por falta de camas ou falta de médicos especialistas.

No dia 7 de junho o Serviço de Urgência Obstétrica e Ginecológica do Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, terá comunicado à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e ao Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM que as grávidas em trabalho de parto não deveriam ser encaminhadas para aquela unidade hospitalar até às 8h00 de dia 8 de junho, por ter sido atingido o limite de admissões.

No entanto, de acordo com o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) os constrangimentos sentidos na obstetrícia do HGO devem-se à falta de médicos especialistas e que esta não é a primeira vez que esta situação acontece.

Na pergunta enviada à Ministra da Saúde, os deputados questionam ainda que medidas foram já tomadas para resolver qualquer uma destas faltas, se a ministra está em condições de garantir que esta situação não se voltará a repetir, e, sendo o motivo a falta de médicos, para quando a contratação de especialistas em obstetrícia para o Hospital Garcia de Orta.

Em duas últimas questões, Nuno Magalhães e Isabel Galriça Neto questionam também que medidas estão a ser tomadas para garantir que é assegurado o acesso à saúde e a qualidade da prestação de cuidados de saúde a toda a população servida pelo Hospital Garcia de Orta, o que claramente não se está a verificar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome