AlmadaPolítica

CDS-PP preocupado com colapso no Hospital Garcia de Orta

publicidade

Os deputados do CDS dirigiram à ministra da Saúde um conjunto de questões sobre o colapso em que se encontram os serviços de urgência do Hospital Garcia de Orta, em Almada, e pretendem saber «que justificação apresenta a ministra para o agravamento dos problemas no Hospital Garcia de Orta, que há muito são conhecidos e para os quais o Governo ainda não apresentou solução».

Os deputados do CDS querem ainda a confirmação por parta da ministra de que «as urgências geral, de pediatria e de obstetrícia sobrevivem frequentemente à custa de pessoal contratado, muitas vezes não especializado, e que é verdade que falta ao hospital financiamento para novas contratações».

Outra questão levantada tem a ver com o facto de a urgência geral do Hospital Garcia de Orta está a dar sinais de falta de pessoal – médicos, enfermeiros e pessoal de apoio e de que «muitos dos profissionais que ainda asseguram os serviços de urgência se encontram exaustos».

O CDS acusa ainda a situação de «falta de material básico, como luvas, aventais ou resguardos e entre estas inclui-se a falta de comida para quem trabalha durante a noite», e ainda para a falta de diálogo entre a administração e as chefias, «e que não são realizadas reuniões periódicas que façam o levantamento correto das necessidades dos serviços de urgência».

Perguntam depois se a ministra pode assegurar a segurança dos doentes e a qualidade do atendimento à população, e principalmente aos doentes não Covid, e querem saber de que forma está a tutela a articular com o Conselho de Administração do Garcia de Orta a dotação de meios para assegurar a normalização do funcionamento geral do hospital e, neste caso particular, dos serviços de urgência.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui