AlmadaPolítica

CDS-PP Almada contra encerramento do balcão Montepio em Almada Velha

publicidade

A Concelhia de Almada do CDS-PP endereçou à comunicação social um comunicado no qual manifesta a sua preocupação pelo encerramento da sucursal bancária do Montepio e respectivos multibancos em Almada Velha.

A concelhia endereçou ao presidente da União de Freguesias de Almada, Cacilhas, Cova da Piedade e Pragal e à presidente da Câmara Municipal de Almada uma missiva onde manifesta «conjuntamente com as populações da zona envolvente da Rua Capitão Leitão em Almada velha, a preocupação pelo encerramento em definitivo, da dependência do banco Montepio e dos dois respectivos multibancos que serviam a respectiva população».

Nessa missiva é solicitado aos autarcas «para convergirem em esforços para junto das instituições com competência e interessadas na matéria, com a finalidade de no imediato e com urgência, a colocação de um terminal de multibanco para que possa com brevidade voltar as servir as populações».

DR – CDS-PP Almada

O CDS-PP Almada alerta para que «esta situação está a criar grandes problemas e constrangimentos junto da população da zona de Almada velha, nomeadamente nas pessoas de mais idade.

A instituição bancária Montepio, situava-se na Rua Capitão Leitão, junto à Academia Almadense, numa das ruas mais movimentadas da união de freguesias, onde é frequente a grande concentração de população, nomeadamente para usufruírem da variada oferta de comércio da zona. 

A mesma sucursal, em concreto os multibancos exterior e no interior da dependência, era utilizada diariamente por um número bastante considerável de fregueses e munícipes que frequentam a Rua Capitão Leitão e a zona de Almada velha, com especial enfoque para as pessoas de mais idade que necessitam de levantar dinheiro, nomeadamente as suas reformas e pensões, efectuar pagamentos e demais transacções do decorrer da normalidade das suas vidas.»

A nota reforça ainda que os serviços bancários mais próximos «localizam-se na Avenida D. Nuno Álvares Pereira e na Rua Dom José de Mascarenhas, o que se torna manifestamente longe para uma população com mobilidade condicionada» e acrescenta que «sendo uma zona de actividade comercial, a inexistência de um terminal de multibanco cria ainda mais entraves e mesmo grandes constrangimentos e problemas à actividade».

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui