CDS Barreiro considera situação da Soflusa insustentável para os barreirenses

Em comunicado enviado às redações, a Comissão Concelhia do CDS Barreiro critica a ‘situação caótica’ causada pelas supressões de carreiras fluviais por parte da Soflusa.

0
56
Tempo de Leitura: 1 minuto

Em comunicado enviado às redações, a Comissão Concelhia do CDS Barreiro critica a ‘situação caótica’ causada pelas supressões de carreiras fluviais por parte da Soflusa.

«Nos últimos dias, o elevado número de supressões, por falta de tripulação, tem levado a uma situação caótica para os Barreirenses, com especial incidência para o horário nocturno.

Para o CDS Barreiro, “é inadmissível vários Barreirenses se terem visto obrigados a passar a noite na estação pelo não cumprimento dos horários. É este o maior investimento de sempre nas ligações fluviais?”

“A Soflusa e o Governo têm de encontrar uma alternativa perante este caos, seja através de meios alternativos temporários, como autocarros que garantam que nenhum cidadão se verá impedido de regressar a casa ao final da noite, mas, principalmente, desbloqueando as verbas necessárias à contratação de número de tripulantes necessários ao normal funcionamento do serviço” apontou o Vice-Presidente do CDS Barreiro, Hélder Leal Rodrigues.

Para Hélder Leal Rodrigues, a responsabilidade está do lado do Governo: “Mais uma vez, o Governo quis começar a casa pelo telhado, com a redução dos passes, o que levou a um significativo aumento de passageiros mas esqueceu-se, mais uma vez, de garantir que o serviço fluvial tinha capacidade para albergar esse crescente fluxo”.

O CDS Barreiro já se havia manifestado, nos últimos meses, perante a degradação do serviço da Soflusa e a falta de investimento, contrariamente ao anunciado pelo governo.

“Não nos esquecemos das inúmeras promessas de António Costa, no Barreiro, perante o actual executivo, do mesmo partido, nomeadamente com a compra de novos barcos, que se viram goradas ao serem anunciados para todas as ligações fluviais excepto para o nosso concelho, tendo o executivo ficado em silêncio nessa altura” concluiu Hélder Leal Rodrigues, vice-presidente da estrutura concelhia do CDS.»

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira o seu comentário
Nome