Moita

Cavaleiro tauromáquico agrediu jornalistas do ‘TouroeOuro’ na Moita

- publicidade -

O jornal tauromáquico ‘TouroeOuro’ denunciou no seu site uma «violenta agressão» de que foi alvo a equipa de reportagem «e sobretudo o repórter João Dinis, por parte do cavaleiro Rui Fernandes e seu cunhado, João Fouto Caldeira, nas imediações da Praça de Touros na Moita, alegadamente por estarem descontentes com a rúbrica ‘DIRECTO’ publicado no dia 16 de Setembro, durante o festejo da Moita, bem como a crónica sequente».

Segundo o jornal a ocorrência registou-se «na sexta-feira, dia 17 de Setembro, nas imediações da Praça de Touros Daniel do Nascimento, na Moita».

Na nota de esclarecimento, o jornal tauromáquico escreve que «é com profundo lamento, sobretudo pela integridade que neste momento escasseia na Tauromaquia lusa, que damos esta notícia, de forma a terminar de vez com os boatos que circulam nos mentideros da Festa».

A GNR local assistiu «e acudiu prontamente ao acto de extrema violência, evitando que uma tragédia maior acontecesse, carregando sobre o cavaleiro e cunhado.

Além do ataque físico, foram proferidas ameaças verbais, de forma a incutir medo na equipa, que prontamente pediu que se identificassem todas as partes envolvidas no acto cobarde ali praticado.»

Para a equipa do TouroeOuro «este acto foi premeditado e tanto assim é, que desde a madrugada do mesmo dia, entenda-se, depois da corrida na qual o cavaleiro e seu sobrinho actuaram, precisamente na Moita, sucederam-se chamadas e mensagens do cavaleiro para o repórter atrás citado, chegando mesmo a manter tom cordeal e amistoso, como de resto sempre aconteceu entre toda a equipa TouroeOuro e Rui Fernandes.

Chegados à Moita para levantar as acreditações de imprensa para cobertura da novilhada, o cavaleiro voltou a ligar, dizendo que gostaria de cumprimentar a equipa.

Chegados ao local, perto da enfermaria do referido tauródromo, o cavaleiro, acompanhado do seu cunhado João Fouto Caldeira e o seu moço de espadas Marco Paiva (este último apenas a assistir ao “espectáculo”), começaram a agressão física. Refiro, que a agressão esteve a cargo de Rui Fernandes e João Fouto Caldeira.»

A direção do jornal esclarece ainda que «o TouroeOuro efectuou já todas as diligências legais ao seu dispôr, para que o caso siga todos os tramites judiciais, sendo que dispõe neste momento também, de um documento que coloca toda a equipa em alerta máximo perante as autoridades, “gozando” assim, do “Estatuto de Vítima”.

Mais acrescentamos, que denunciamos publicamente este caso, para que outros escribas (emissores de opinião ou analistas de espectáculos tauromáquicos) sejam protegidos deste tipo de ataques, infelizmente não singulares por entre a tauromaquia lusa e infelizmente também, não exclusivos da nossa equipa.»

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo