AtualidadeMobilidade

Campanha conjunta pretende alertar condutores para excesso de velocidade

- publicidade -

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Polícia de Segurança Pública (PSP) lançam amanhã, 20 de abril, a Campanha de Segurança Rodoviária “Viajar sem Pressa”, inserida no Plano Nacional de Fiscalização de 2021.

A decorrer entre os dias 20 e 26 de abril, a campanha tem como objetivo alertar os condutores para os riscos da condução em excesso de velocidade, sendo esta uma das principais causas dos acidentes nas estradas.

Num atropelamento, a probabilidade de existirem vítimas mortais aumenta em proporção da velocidade.

Se um veículo circular a 30 km/h a probabilidade de atropelar alguém mortalmente é de 10%. Aumentando a velocidade para 50km/h essa probabilidade passará a ser de 80%: uma pequena diferença na velocidade do veículo pode fazer uma grande diferença nas consequências do acidente.

A campanha “Viajar sem Pressa” integrará: ações de sensibilização da ANSR; operações de fiscalização, pela GNR e pela PSP, com especial incidência no cumprimento das regras do código da estrada e legislação complementar relativas à velocidade e fiscalização 24/24 horas da ANSR através da sua rede de radares (SINCRO).

Estas ações de sensibilização ocorrerão em simultâneo com operações de fiscalização nas seguintes localidades:

Dia 20 de abril: AE A1, S/N, Km 11.1, Vila Franca de Xira;

Dia 21 de abril: Avenida da Régua, Ovar;

Dia 22 de abril: EN18, Km 43, Junto ao Viaduto do Tortosendo;

Dia 23 de abril: E.N. 372, Km 72, Elvas;

Dia 26 de abril: EN118, Km 31.200, Porto Alto.

A ANSR, a GNR e a PSP relembram que os limites de velocidade e as regras relativas à sua moderação existem para a proteção de todos, especialmente dos mais vulneráveis, pelo que o seu cumprimento é vital.

- publicidade -

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui