BarreiroUncategorized

Câmara do Barreiro vai requalificar a Caldeira Grande até final de 2023

- publicidade -

 O presidente da Câmara do Barreiro afirmou hoje que o investimento de 2 milhões de euros para a recuperação da Caldeira Grande vai transformar aquele espaço numa zona requalificada que será num ponto de atração do concelho.

“É uma obra fundamental, que vai requalificar uma antiga caldeira, junto aos moinhos do Barreiro, no estuário do Tejo, para estar ao serviço das pessoas e da cidade e ser um ponto de atracão para o Barreiro”, disse Frederico Rosa (PS).

O autarca do Barreiro a falava à agência Lusa pouco depois de terminar a apresentação pública de diversos projetos financiados pelo REACT-UE (Assistência de Recuperação para a Coesão e os Territórios da Europa), que decorreu hoje de manhã em Coimbra, com a presença do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, e do primeiro-ministro, António Costa.

“Estes dois milhões de euros, atribuídos pelo REACT-UE para recuperação da Caldeira Grande, são quase uma antecâmara do Plano Recuperação e Resiliência (PRR) – como disse o próprio primeiro-ministro -, porque vão financiar uma obra que é fundamental e muito desejada na nossa cidade”, reconheceu o presidente da Câmara do Barreiro, um município do distrito de Setúbal.

“É um investimento que está em linha com aquilo que nós temos feito e com aquilo que é um grande desígnio de Portugal, da Europa e do mundo, que é o combate às alterações climáticas, a recuperação e a naturalização de espaços, a recuperação da Natureza e, neste caso, a recuperação de uma massa de água significativa na nossa cidade”, sublinhou Frederico Rosa.

Segundo a Câmara Municipal do Barreiro, o projeto de recuperação da Caldeira Grande, que terá de estar concluído até final de 2023, “prevê a limpeza da caldeira, a consolidação e qualificação das margens e a colocação de uma plataforma de areia capaz de assegurar atividade lúdica ou desportiva, junto a um espelho de água que pode ser controlado independentemente da maré”.

Numa fase mais adiantada está a recuperação do Moinho Grande do Barreiro, à entrada da Caldeira Grande, outro investimento de dois milhões de euros, mas com financiamento através do programa Portugal 2020 e que já tem luz verde do Tribunal de Contas, prevendo-se que entre em fase de obra durante o mês de maio.

“O moinho que os barreirenses sempre conheceram em ruínas também vai ser recuperado”, disse Frederico Rosa, adiantando que as obras de requalificação do Moinho Grande, junto à Caldeira Grande, deverão estar concluídas durante o próximo ano de 2022.

O projeto de recuperação da Caldeira Grande foi um dos muitos projetos de reabilitação e valorização fluvial apresentados hoje em Coimbra e que preveem a intervenção em 150 quilómetros de linhas de água e 50 massas de água, abrangendo 55 municípios, num investimento global de 50 milhões de euros. Todos os projetos terão de estar concretizado até final de 2023.

No encerramento da cerimónia realizada na cidade de Coimbra, o primeiro-ministro António Costa desafiou os municípios a mobilizarem-se para a utilização plena do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui