Quantcast Choice. Consent Manager Tag v2.0 (for TCF 2.0)
AtualidadeDestaqueDistritoSantarém

BMW embate no carro-patrulha da GNR a mais de 150 km/h

- publicidade -

Por volta das 11h30 desta terça-feira, um BMW fez disparar os radares instalados na A1 ao km 91. A patrulha de serviço aos radares ainda tentou intercetar o infrator, mas não conseguiu aproximar-se devido à velocidade excessiva do mesmo. Seis quilómetros andados depois do radar, o mesmo BMW abalroava o carro patrulha da GNR que estava em manobras de sinalização a trabalhos na estrada que faziam a limpeza da berma e pintura do traço contínuo, no lado esquerdo da via. No carro-patrulha da GNR estavam a cabo Vânia Martins e o patrulheiro Carlos Pereira, de 30 e 28 anos de idade.

Os colegas assim que chegaram ao local verificaram que os dois militares não tinham sinais vitais e estavam encarcerados na viatura que está totalmente destruído, chegando a pensar que os colegas estariam mortos.

Mas a rápida intervenção de socorro inverteu a situação e esta terça-feira ao início da noite os dois militares encontravam-se internados e em estado crítico.

Carlos Pereira encontra-se em Santarém, ventilado e em coma e Vânia Martins no Hospital de São José, Lisboa, com lesões graves na cervical. O Diário do Distrito tentou obter mais esclarecimentos sobre o estado de saúde dos militares junto do Comando Nacional da GNR, pois a noticia que corria ontem nas redes sociais é que um dos militares já teria falecido, mas ao que tudo sabemos os dois encontram-se hospitalizados, mas em estado crítico. Aguardamos ainda uma resposta por parte da GNR.

Segundo fonte da GNR, o radar que estava definido a ‘disparar’ aos 150 km/hora, apanhou o BMW a uma velocidade entre os 170 e os 180 km/h. A mesma fonte adianta que os dois passageiros e o condutor ficaram com ferimentos graves.

[themoneytizer id=”61056-1″]

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui