AtualidadecoronavírusDestaqueNacional

Bloco de Esqurda defende responsabilização de quem “se aproveite” do plano de vacinação

- publicidade -

A líder do Bloco de Esquerda defendeu hoje que “devem ter consequências” todos os abusos, como o da vacinação contra a covid-19 de funcionários de um café no Porto pelo INEM fora dos critérios definidos.

“Todas as responsabilidades devem ser assacadas sempre que há abuso e devem ter consequências”, comentou Catarina Martins, num comentário à polémica em torno da vacinação de funcionários de um café ao lado das instalações do INEM no Porto, que já levou o responsável a pedir a demissão.

Para a dirigente bloquista, “quem se aproveite deste processo” de vacinação em curso “é não só um profundo desrespeito para o país como para o SNS, que está a dar o melhor” para executar o plano de vacinação.

O responsável pela delegação do Norte do INEM apresentou a demissão depois de ter sido noticiado que o instituto tinha vacinado contra a covid-19 funcionários de uma pastelaria no Porto, confirmou à Lusa fonte do instituto.

Segundo noticiou hoje o Correio da Manhã, a delegação regional do Norte do INEM incluiu os proprietários e funcionários de uma pastelaria do Porto no grupo de profissionais que foi vacinado na primeira fase do plano de vacinação.  

Já hoje, o delegado do INEM no Porto assumiu que autorizou a vacinação de 11 funcionários de uma pastelaria próxima, mas recusou qualquer favorecimento, assegurando que se tratou apenas de evitar que as vacinas fossem para o lixo.

A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) anunciou na sexta-feira que vai verificar o cumprimento das normas e orientações aplicáveis ao processo de administração da vacina contra a covid-19.

Segundo a IGAS, a inspeção assenta em três vertentes: critérios de seleção das pessoas a vacinar dentro dos grupos prioritários, procedimentos de gestão das doses excedentes e medidas preventivas do desperdício.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.206.873 mortos resultantes de mais de 102 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 12.179 pessoas dos 711.081 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui