BarreiroDistrito SetúbalSociedade

Barreirense cria projeto para apoiar vítimas de violência doméstica

Grupo de Apoio está inserido no Gabinete da Câmara Municipal do Barreiro.

- publicidade -

Filomena Iria, a barreirense que foi vítima de violência doméstica e que escreveu um livro sobre o terror que viveu durante esse período, é agora Técnica de Apoio à Vítima num projeto acolhido pela Câmara Municipal do Barreiro.

O “Grupo de Ajuda Mútua das Vítimas de Violência Doméstica” foi oficialmente apresentado no dia 11 de janeiro deste ano, com reuniões agendadas presencialmente no Convento da Madre Deus da Verderena, no Barreiro. No entanto, em tempos de pandemia de Covid-19 e com um confinamento geral decretado, o projeto mantém-se ativo nas plataformas digitais. As reuniões são agendadas na página criada na rede social Facebook e acontecem via Zoom.

tarot terapêutico

À conversa com Filomena Iria, a barreirense explica-nos que, depois de editar o livro “(Re)contos da Violência Doméstica” em 2014, sentiu que tinha um caminho a percorrer no combate ao flagelo. Na altura, foi convidada a apresentar o seu livro em vários pontos do país, para ser oradora em palestras e em escolas sobre o combate à Violência Doméstica e, devido à mediatização do livro, era procurada e abordada por muitas pessoas que viviam momentos semelhantes. Durante esse período, Filomena percebeu que deveria ter um papel mais interventivo na sociedade. Segundo nos conta, inicialmente tentou compreender como poderia ajudar todas as pessoas que a procuravam, “consultei a legislação para saber o que me faltava, além da minha experiência pessoal, mas faltava-me tudo. Faltava-me uma licenciatura nas Ciências Sociais e faltava-me o curso de Técnico de Apoio à Vítima”, explica Filomena.

Não baixou os braços e, conciliando o trabalho como auxiliar de ação educativa e de mãe, avançou. Em 2015 começou a nascer o projeto. Concluídos os estudos com sucesso, apresentou a ideia à autarquia do Barreiro, que aceitou e fez nascer o projeto.

O Gabinete de Apoio à Vítima da Câmara Municipal do Barreiro, que já existe desde 2019, tem agora um complemento. Segundo Filomena Iria, o objetivo é humanizar todo o processo de apoio às vítimas. Não obstante de existir um trabalho de encaminhamento, de cruzamento com entidades que podem encontrar soluções no imediato, “acredito que seja mais fácil falar abertamente com alguém que já viveu o nosso problema”, diz a Técnica de Apoio à Vítima.

Na bagagem Filomena leva a sua história de vida. Já lá vão 15 anos desde que conseguiu romper o ciclo de episódios extremamente violentos que a deixaram às portas da morte. A ex-vítima de violência doméstica está orgulhosa de ter transformado toda a história de vida em algo positivo, para ajudar outras pessoas que estejam na mesma situação.

Nas sessões em que é garantido o anonimato, Filomena tem o objetivo de levar outras histórias de vida, de luta e de sucesso para travar a violência doméstica e servir de suporte emocional às vítimas.

Os encontros, presenciais ou à distância, as informações e as dúvidas podem ser esclarecidos na página criada para apoiar o projeto, onde constam igualmente contactos telefónicos e de email. 

https://www.facebook.com/GAMVVDBarreiro/

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui