Montijo

Autarquia do Montijo apresentou e aprovou contas relativas a 2020

- publicidade -

A reunião camarária desta quarta-feira no Montijo, “a mais importante do ano”, segundo Nuno Canta, começou com algumas declarações dos vereadores, e do presidente, estas dirigidas ao vereador do PSD/CDS-PP João Afonso, ausente por questões de saúde, segundo explicou o vereador da CDU, Carlos Almeida.

O presidente referiu ainda a situação da pandemia de covid19 no concelho, destacando que “já foram imunizadas um total de 23.200 pessoas, e neste momento não temos hospitalizações por covid19. Relativamente aos casos activos, o Montijo está com um rácio de 61 casos por 100.000 habitantes, em nível ‘baixo a moderado’”.

Foi aprovada por unanimidade a atribuição de apoio financeiro à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Montijo, para encargos de reparação das viaturas de combate a incêndios, “com maior importância, agora que se aproxima mais uma fase do DECIR”, frisou o presidente.

O executivo aprovou ainda, com os votos favoráveis do PS e abstenção da CDU, os relatórios de Avaliação dos Bens dos Domínios Público e Privado do Município do Montijo e respectivas vidas úteis, “um elemento fundamental de contabilidade para o município, no valor apurado de 143 milhões de euros, e que até agora não existiam dados concretos.

Este Relatório permite também remover a última reserva que pendia sobre a Câmara Municipal, algo com o qual nos tínhamos comprometido para este mandato”, agradecendo aos trabalhadores da autarquia e à vereadora Maria Clara Silva, responsável pela Divisão Financeira.

Nuno Canta fez também um enquadramento sobre a Apresentação de Contas relativas a 2020, “prestando contas aos munícipes, e em sua representação, e que mesmo com a crise pandémica, estamos convictos que estas comprovam o bom governo deste executivo, o bom trabalho dos socialistas no nosso concelho, com rigor e transparência”.

O presidente dispensou-se de apresentar “tudo o que fizemos, que todos os montijenses conhecem, e num ano que foi dos mais exigentes de sempre, em que tivemos de dar respostas a uma pandemia e que, em termos de contas autárquicas, levou à construção de um novo quadro contabilístico, com o enquadramento da avaliação dos Bens Públicos e Privados, que aprovámos atrás”.

Apesar do “ambiente de mudanças, a Câmara Municipal manteve o bom governo da cidade. As contas eram positivas em 2019, são em 2020, e serão positivas em 2021.”

Nuno Canta agradeceu também aos trabalhadores e às chefias da Câmara Municipal, bem como aos vereadores do PS, “pelo trabalho realizado durante estes duros períodos dos confinamentos, sem falharem o serviço público”.

A proposta foi aprovada com os votos do PS, e os vereadores da CDU abstiveram-se, apresentando uma declaração para constar da acta que não foi lida, o mesmo em relação à votação de prestação de contas dos SMAS.


Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo

Permita anúncios

Detetámos que utiliza um bloqueador de anúncios.
Apoie o jornalismo sério e considere desativá-lo para o nosso site.
Saiba como desactivar: carregue aqui